Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ações de Saúde nos Estados Unidos"

Caros leitores,

Com muita alegria retomo aqui nossas conversas sobre saúde e economia, depois de pouco mais de um ano afastado.

Para retomar nossas linhas, queria compartilhar um pouco do que vi em relação a investimentos em saúde durante minha última e breve viagem.

Nos EUA as ações ligadas à saúde, na média, consolidaram uma referência, inequívoca agora, como setor defensivo em momentos de crise, desbancando as populares ações de utilities (Telecom e Energia), quer seja pelo momento duvidoso que utilities enfrenta, ou pela franca notoriedade que nosso setor de saúde vem obtendo com o envelhecimento da população. Empresas de Saúde tiveram desempenho bem superior ao índice e os fundos não se desfizeram de suas posições após o pior ter passado.

Aqui no Brasil, ainda estamos às voltas com os processos de incorporações e suas indigestas operacionalizações, que se têm mostrado muito mais difíceis de implementar que o planejado. Grandes operadores e redes no setor de saúde têm dedicado os últimos anos a pouco movimento estratégico e grande ruminação daquilo que já havia sido comprado. Um dia esses processos terminam e as jibóias do setor despertam de suas sestas.

Cabe o destaque da ágil disputa de rede de hospitais observada nos últimos meses. Agora é esperar ver se a digestão será menos nauseante ou voltaremos a assistir às pantagruélicas seqüências de “comprei, senão o outro comprava”.

Outro destaque deste primeiro semestre de ano inacabado é a super-safra de consultas públicas da ANS. São todas boas idéias, talvez oportunas, populares decerto, mas que ainda tangenciam os problemas principais do setor de saúde no Brasil, que desmotivam arrojo e afugentam capital.

Mas, sou otimista e tenho fé que o Brasil, em decorrência de atingirmos o pleno-emprego pela primeira vez, usufruir do bônus demográfico (a que a China chorosamente se despede) e com amadurecimento e forja dos protagonistas do setor, terá uma década de ouro pela frente, a começar desse ano.

Abraços,

Glauco

postado por Glauco Michelotti

Nenhum comentário:

Postar um comentário