Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


quarta-feira, 20 de abril de 2011

Alckmin entrega novo hospital em Franco da Rocha

por Saúde Business Web

19/04/2011

Destinado a pacientes da rede pública, o hospital atenderá a todos de forma gratuita, por meio do SUS

No último sábado, (16), o governador Geraldo Alckmin entregou o Hospital Estdual de Franco da Rocha, "Dr. Albano da Franca Rocha Sobrinho". O investimento para a construção foi de R$ 55 milhões, entre obras e equipamentos. E atenderá pacientes dos municípios de Franco da Rocha, Mairiporã, Cajamar, Caieira e Francisco Morato

De acordo com informações divulgadas, o novo empreendimento possui área de 16 mil m². E sua estrutura conta com 170 leitos de internação, dos quais 16 de UTI, centro cirúrgico com seis salas, pronto-socorro adulto e infantil com atendimento via Samu e Resgate, ambulatório, hospital-dia, serviço de diagnóstico, laboratório, farmácia e central de esterilização, entre outras alas.

Destinado a pacientes da rede pública, o hospital atenderá a todos de forma gratuita, por meio do SUS. E contará com atendimento nas áreas de Clínica Médica, Ortopedia, cirurgia Geral, Neurotrauma e Vascular.

Acredita-se que quando estiver funcionando em plena capacidade, o serviço promoverá cerca de 100 mil atendimentos anuais. Por mês serão 573 internações, 4500 atendimentos de urgência, 176 consultas médicas ambulatoriais e 350 exames.

Dados indicam que o novo hospital será gerenciado no modelo de Organizações Sociais de Saúde, com contrato de gestão firmado com a Santa Casa de São Paulo. O maior objetivo d instituição é atender a população com qualidade, para que as pessoas não precisem se deslocar por grandes distâncias para receber assistência médica.

Advamed propõe modelo de inspeção europeu à Anvisa AdvaMed proposes to the European model of inspection Anvisa

por Verena Souza

19/04/2011

Novas políticas regulatórios foram apresentadas aos gestores públicos do setor. Entidade visa estimular a inovação e a produção local

Stephen: muitos CEOS associados à Avimed ficaram impressionados com o potencial científico do País

Representantes da Advamed, maior associação de empresas de tecnologia médica do mundo, vieram ao Brasil na última semana para uma série de reuniões, entre elas, com o ministro da Saúde e órgãos reguladores do setor. A instituição - composta por 1.600 companhias que fabricam aparelhos, sistemas e produtos médicos - visa estimular a inovação no País e, dessa forma, promover o desenvolvimento do setor.

Para isso algumas propostas foram apresentadas aos gestores da Saúde brasileira. "Nós identificados melhores práticas em diversas partes do mundo. Discutimos com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a possibilidade de trazer o sistema de inspeção europeu para o Brasil", contou o presidente e CEO da Advamed, Stephen J. Ubl.

De acordo com o executivo, o órgão europeu de fiscalização - espécie de Anvisa - contrata empresas terceiras para realizarem a inspeção nas indústrias e produzirem um relatório. A entidade central faz a análise do parecer final, descentralizando o processo. "Isso funciona muito bem na Europa. Levaria de dois a três anos para adaptar aqui. Essa estrutura reduz custos, agiliza o processo de registro e facilita o acesso da população às tecnologias médicas. Além de ser mais rápida e não menos segura", enfatizou.

Stephen contou que foi muito bem recebido pela Anvisa e disse notar que o órgão está realmente empenhado para o desenvolvimento do setor.

Outro exemplo a ser seguido, segundo o presidente da Advamed, refere-se à adoção de critérios para alterações de determinados produtos. Existem mudanças praticamente insignificantes em aparelhos que estão no mercado. Para ele, o registro para tais alterações deveria obedecer critérios mais flexíveis.

Obama x Dilma

A vinda de Obama ao Brasil, no final de março, simbolizou o interesse dos Estados Unidos no País; e o mercado de saúde está incluso, segundo Stephen. "Muitos CEOS de empresas associadas à Avimed ficaram impressionados com a capacidade intelectual da comunidade científica e as novas terapias que estão sendo desenvolvidas. O Brasil tem muito potencial para aprimorar sua produção local, basta enfrentar os obstáculos regulatórios e os problemas com políticas de compensação", disse.

Em seu discurso, Obama ressaltou a importância da inovação no Brasil. "Acreditamos que as tecnologias médicas são a chave para estimular tal tendência econômica", afirmou Stephen.

Quatro departamentos norteiam o trabalho da Advamed: políticas regulatórias, políticas de compensação, departamento legal e internacional. Além dos EUA, a entidade possui escritórios em Tóquio, no Japão, e Beijing, na China. No entanto, busca diálogo e parcerias com diversos outros países do mundo. As instituições brasileiras Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL) e Associação Brasileira da Indústria Importadora de Equipamentos, Produtos e Suprimentos Médico-Hospitalares (Abimed), são exemplos de parcerios da Advamed no País.

New regulatory policies were presented to public sector managers. Authority aims to foster innovation and local production

Stephen: Avimed associated with many CEOs were impressed with the country's scientific potential

Representatives of AdvaMed, the largest association of medical technology companies in the world, came to Brazil last week for a series of meetings, including with the Minister of Health and industry regulators. The institution - made up of 1,600 companies that manufacture equipment, systems and medical products - aims to stimulate innovation in the country and thus promote the development of the sector.

For that some proposals were presented to managers and technologies. "We identified best practices in various parts of the world. We discussed with the National Agency for Sanitary Vigilance Agency (Anvisa) able to bring the European system of inspection for Brazil," said President and CEO of AdvaMed, Stephen J. Ubl.

According to the executive, the European supervisory body - sort of Anvisa - hire outsiders to conduct the inspection in industries and produce a report. The central body makes the analysis of the final opinion, decentralizing the process. "This works very well in Europe. It would take two to three years to adapt here. This structure reduces costs, streamlines the registration process and facilitate people's access to medical technologies. Besides being faster and not less secure," emphasized .

Stephen said he was very well received by Anvisa said and noted that the agency is truly committed to the development of the sector.

Another example to be followed, the president of AdvaMed, refers to the adoption of criteria for amendments of certain products. There are almost insignificant changes in devices that are in the market. For him, the record for such changes should meet criteria more flexible.

Obama x Dilma

Obama's coming to Brazil in late March, symbolized the United States' interest in the country, and the healthcare market is included, according to Stephen. "Many CEOs of companies associated to Avimed were impressed with the intellectual capacity of the scientific community and the new therapies being developed. Brazil has great potential to enhance its local production, just face regulatory obstacles and the problems with compensation policies" he said.

In his speech, Obama stressed the importance of innovation in Brazil. "We believe that medical technologies are the key to stimulate this economy around," said Stephen.

Four departments guide the work of AdvaMed: regulatory policies, compensation policies, and international legal department. Besides the U.S., the organization has offices in Tokyo, Japan and Beijing, China. However, seeking dialogue and partnerships with other countries of the world. Institutions Brazilian Brazilian Chamber of Laboratory Diagnosis (CBDL) and the Brazilian Association of Import Equipment, Products and Supplies Medical Hospital (ABIMED), are examples of parcerios AdvaMed in Brazil

O paciente não aceita a transfusão de sangue, e agora? The patient does not accept blood transfusion, and now?

por Saúde Business Web

19/04/2011

Expert fala sobre a dificuldade do profissional na hora em que o paciente se recusa algum tipo de procedimento por razões religiosas

Na mitologia grega, Dâmocles ao sentar no trono e perceber uma espada suspensa voltada diretamente para sua cabeça, presa somente por um fio de rabo de cavalo, declinou do reinado de um dia que lhe havia sido oferecido pelo Rei Dionísio de Siracusa.

Não são raras as vezes em que a pergunta que intitula este artigo é feita aos médicos quando há prescrição de transfusão sanguínea e o paciente ou o responsável a recusa, sob o pretexto de que o tratamento vai de encontro à sua religiosidade e nesta hora, inevitavelmente, a espada em questão suspende-se sobre a cabeça do médico.

Se é certo que o paciente tem o direito de ser informado e consentir com o tratamento, também é certo que o tratamento indicado tem por fundamento a confiança do médico na melhor terapêutica disponível para o diagnóstico que se apresenta.

Este profissional de saúde, ao escolher a transfusão, o fez com a certeza de oferecer o tratamento mais adequado e possível para o paciente junto à instituição de saúde que o recebe, ou seja, se o médico optou pela transfusão sanguínea, o fez por acreditar ser aquela a melhor solução, ou mesmo, a única disponível naquela unidade hospitalar.

Assim é que, mesmo sendo correto dizer que a opção do paciente deve ser respeitada, a recusa se transforma em verdadeiro constrangimento para o médico. "E agora, o que é que eu faço?", alguns certamente pensam.

Fala-se muito que ao paciente deve ser dado o direito de escolha, dando-se como exemplo a pessoa que opta pela operação espiritual à intervenção cirúrgica.

Ocorre que é justamente este tipo de escolha que cabe ao paciente. A escolha do tratamento, de acordo com a convicção de quem o executa!

Não se pode compreender, entretanto, que se busque certo tipo de procedimento onde o mesmo não é feito. Buscar um hospital em que os médicos e o próprio hospital utilizam a transfusão sanguínea como meio de cura e querer outro tipo de tratamento é o mesmo que se optar pela intervenção espiritual e esperar uma intervenção convencional.

Buscar o médico e impedi-lo de exercer o seu ofício é mais constrangedor do que receber o tratamento que é prescrito e não é aceito pelo paciente.

O médico não foi em busca do paciente para lhe prestar seus serviços, pelo contrário, o paciente foi quem procurou a instituição de saúde, ou, na pior das hipóteses, para lá foi levado em situação de urgência ou emergência.

Tal recusa se dá mais normalmente pelos seguidores da fé cristã denominados Testemunhas de Jeová.

Tem-se conhecimento que referidas pessoas costumam até fornecer, quando de suas internações junto às instituições de saúde, declaração isentando tanto a instituição, quanto o médico por quaisquer resultados advindos de tratamentos alternativos, tendo em vista que se recusam a receber a transfusão sanguínea.

Não se olvida que atualmente há diversas técnicas alternativas à transfusão, como hemodiluição ou a recuperação sanguínea intra-operatória.

Ocorre que referidas técnicas não são universais, pelo que, não são encontradas em todas as unidades de saúde, além do fato de não poderem ser administradas para todos os pacientes, considerando-se, ainda, os riscos inerentes a qualquer tipo de transfusão, seja a convencional ou as autólogas. Assim, a prescrição deve ser criteriosa com um balanço de seus reais benefícios.

O Conselho Federal de Medicina já se posicionou no sentido de que havendo recusa na permissão, o médico deverá respeitar a vontade do paciente ou responsável somente nos casos em que não haja iminente perigo de vida, pois, nestes casos, o médico deverá praticar a transfusão de sangue independentemente do consentimento do paciente (Resolução CFM nº 1021/80).

No mesmo diapasão, o posicionamento do fórum: "Transfusão de Sangue: os Conflitos entre a Ciência e a Religião" organizado pelo Comitê de Bioética do HCor, Cremesp, OAB de São Paulo e a Associação Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (ABHH) que definiu o seguinte entendimento: "ao médico é vedada a não realização do procedimento de Transfusão de Sangue em pacientes que se negam a receber sangue por motivos religiosos, em situações de urgência e emergência, que representem perigo iminente de morte ao paciente, em conformidade com os dispositivos legais supracitados, ressalvando-se apenas os casos em que se apresente ordem judicial expressa e específica, em favor do paciente, impeditiva da realização do procedimento de transfusão de sangue".

Como exemplo das consequências da omissão, quando existente o risco de morte, cita-se o recurso nº 993.99.085354-0, do TJSP, cuja decisão foi a seguinte: "Homicídio. Sentença de pronúncia. Pais que, segundo consta, impedem ou retardam transfusão de sangue na filha, por motivos religiosos, provocando-lhe a morte. Médico da mesma religião que, também segundo consta, os incentiva a tanto e ameaça de processo os médicos que assistiam a paciente, caso realizem a intervenção sem o consentimento dos pais. Ciência da inevitável consequência do não tratamento. Circunstâncias, que, em tese, caracterizam o dolo eventual, e não podem deixar de ser levadas
à apreciação do júri. Recursos não providos".

Por fim, pensando no conflito entre os direitos constitucionais fundamentais da inviolabilidade do direito à vida e à liberdade de consciência e crença, nossa opinião é de que deve prevalecer o primeiro por melhor se adequar ao princípio da dignidade do homem, como valor que informa todo o ordenamento jurídico.

Gabriel Mesquita Rodrigues Filho, advogado com 15 anos de experiência em diversos segmentos do Direito. Sócio-fundador da Mesquita & Dornelas Advogados voltada para o direito sanitário. Já dirigiu o departamento jurídico de uma tradicional operadora de planos de saúde em São Paulo e participou do Fórum Permanente do Judiciário para a Saúde promovido pelo Conselho Nacional de Justiça.

Expert talks about the difficulty of the professional at the time the patient refuses any kind of procedure on religious grounds

In Greek mythology, Damocles to sit on the throne and realize a sword, aiming squarely at his head, secured only by a hair in pigtails, she declined the reign of a day that had been offered by King Dionysius of Syracuse.

There are few times that the question that heads this article is made to physicians when prescribing blood transfusion and the patient or the person's refusal, on the pretext that the treatment goes against their religion and this time, inevitably, the sword in question is suspended over the head of the physician.

If it is certain that the patient has the right to be informed and consent to treatment, it is certain that the recommended treatment is based on the physician's trust in the best therapy available for the diagnosis as presented.

This health professional to choose the transfusion, it did so with the assurance of providing the best treatment possible for the patient and with the health care institution that receives, or if the doctor opted for a blood transfusion, did so because they believe be that the best solution, or even the only one available at that hospital.

So it is that even if correct to say that the choice of the patient must be respected, denial becomes real embarrassment for the doctor. "And now what do I do?", Certainly some think.

There is much talk that the patient should be given the right to choose, giving as example the person who takes a spiritual surgery to surgery.

It happens that it is precisely this kind of choice that fits the patient. The choice of treatment, according to the conviction of the person who performs!

One can not understand, however, that seeks some sort of procedure where it is not done. Search a hospital where the doctors and the hospital using blood transfusion as a means of healing and want another type of treatment is the same as opting for spiritual intervention and wait a conventional intervention.

Search doctor and prevent him from exercising his office is more embarrassing than getting treatment that is prescribed and is not accepted by the patient.

The doctor was not in search of the patient to give you their services, however, the patient who sought health care institution, or, at worst, there was taken in a situation of urgency or emergency.

Such a refusal is given more often by followers of Christian faith called Jehovah's Witnesses.

It has been known that such persons tend to provide on their admissions among health institutions, declaration exempting both the institution as the doctor for any results coming from alternative treatments, in order that they refuse to receive blood transfusion.

Do not forget that currently there are several technical alternatives to transfusion, such as haemodilution or intraoperative blood recovery.

It happens that these techniques are not universal, therefore, are not found in all health facilities, besides the fact they can not be administered to all patients, considering also the risks inherent in any transfusion, either conventional or autologous. Thus the prescription should be careful with a swing of its real benefits.

The Federal Council of Medicine has positioned itself in the sense that there is a refusal to permit the physician should respect the will of the patient or responsible only in cases where there is imminent danger to life, because in these cases, the doctor must perform a transfusion blood regardless of the patient's consent (CFM Resolution No. 1021/80).

In the same vein, the positioning of the forum: "Blood Transfusion: The Conflict between Science and Religion" organized by the Bioethics Committee of HCor, Cremesp, OAB Sao Paulo and the Brazilian Association of Hematology (ABHH) that defined the following understanding, "the doctor is not forbidden to perform the procedure of Blood Transfusion in patients who refuse to receive blood for religious reasons, in emergencies and emergency posing an imminent danger of death to the patient, in accordance with legal provisions above, excepting only those cases where it proves court order expressly and specifically in favor of the patient, hindering the completion of the procedure of blood transfusion. "

As an example of the consequences of failure, when the risk of death exists, cite the resource paragraph 993.99.085354-0 of TJSP, whose decision was: "Homicide. Sentence pronunciation. Parents who reportedly prevent or slow transfusion of blood in her daughter for religious reasons, causing him to death. Doctor of the same religion who also reportedly encourages both the process and the threat of the doctors who attended the patient, should perform the intervention without the consent of parents. Science inevitable consequence of not treating. Circumstances which, in theory, to characterize the eventual intention, and can only be taken
considered the jury. Features not provided. "

Finally, thinking about the conflict between the fundamental constitutional rights of the inviolable right to life and liberty of conscience and belief, our view is that should prevail in the first best suit the principle of human dignity as a value that tells all the legal system.

Gabriel Rodrigues Mesquita Filho, a lawyer with 15 years of experience in various segments of the law. Founding partner of the Mesquita & Lawyers Dornelas facing health law. Has directed the legal department of a traditional health plan operator in St. Paul and attended the Permanent Forum of the Judiciary for Health sponsored by the National Council of Justice.

Hospital Brasil amplia área da unidade Sto. André

por Saúde Business Web

19/04/2011

A instituição aposta que com o projeto poderá reforçar o conceito de atendimento humanizado

O Hospital e Maternidade Brasil inaugurou quatro novas áreas de atendimento em sua unidade Santo André. A inauguração foi realizada na última quarta-feira, (13), em homenagem ao aniversário de 41 anos da instituição e da cidade de Santo André.

A partir de agora, os pacientes do hospital podem contar com atendimento de pronto-socorro infantil, consultórios de ortopedia, posto de coleta de análises clínicas e ambulatório de psiquiatria e cirurgia plástica.

De acordo com a instituição, a ampliação, e aquisição de novos equipamentos faz parte da estratégia de crescimento do Grupo D´Or no Grande ABC e contribui para a melhoria da qualidade e do atendimento à população de Santo André.

O hospital aposta que com o projeto poderá reforçar o conceito de atendimento humanizado, e terá a chance de atender a uma demanda reprimida existente na cidade. Além de contribuir com a economia da cidade, pois, segundo informações, serão contratados cerca de 50 profissionais da área de saúde.

Dentre as áreas inauguradas, o Hospital Brasil almeja aumentar em 20% a capacidade no atendimento em pediatria e ortopedia. Isso porque os serviços de atendimento infantil são um dos mais procurados no hospital. E a área de ortopedia conta agora com infraestrutura completa para atender a população.

http://www.saudebusinessweb.com.br/noticias/index.asp?cod=77501

Confira lista com preços de produtos para saúde

por Saúde Business Web

19/04/2011

Recurso possibilita a visualização de valores de mercadorias nacionais e internacionais

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou a terceira lista de preços nacionais e internacionais de produtos para saúde. Os nomes foram publicados na última segunda-feira, (18), e irão para um banco de dados criado com o objetivo de orientar o mercado. Dentre os produtos divulgados, 365 estão relacionados à área de cardiologia e 154 tem a ver com o departamento de ortopedia.

Em setembro de 2010, durante o lançamento do banco de dados desenvolvido pela Anvisa, a Agência fez uma parceria com a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com o objetivo de ampliar a divulgação das informações contidas na ferramenta.

Acredita-se que a nova ferramenta oferecerá ao mercado uma base que servirá para orientar o processo de compras e outros assuntos que possuam relação com o preço dos medicamentos.

A instituição acredita que a publicação dos preços de produtos de saúde que os gestores e os profissionais da área possam comparar preços e orientar suas decisões de forma a melhorar a gestão dos recursos de saúde.

De acordo com dados divulgados, o recurso possibilita a visualização de preços praticados por operadoras de saúde no Brasil. E concede informações de preços internacionais de mais de dez países, como Alemanha, Austrália, Canadá, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Portugal e Reino Unido.

Confira a nova lista de preços

Saúde suplementar: moralizar é preciso Supplemental health: it is necessary to moralize

por Antonio Carlos Lopes*

19/04/2011

"Os médicos brasileiros jamais aceitarão que seus pacientes sejam prejudicados por interesses mercantilistas", diz presidente da SBCM

Os médicos brasileiros deram no dia 7 de abril um grande exemplo de cidadania. Em todo o Brasil, de ponta a ponta, paralisaram o atendimento aos planos de saúde pela dignidade profissional e pela moralidade na saúde suplementar.

O movimento, amplamente divulgado pela mídia, busca a valorização profissional, com recomposição dos honorários, muitos defasados há mais de uma década. Paralelamente, reivindica inclusão de cláusulas de reajustes nos contratos de prestação de serviço, pois muitos planos não oferecem essa garantia aos médicos, algo que não ocorre com qualquer outra categoria profissional do país. Por fim, e tão relevante quanto, exige o fim das pressões que as empresas fazem para redução de pedidos de exames, de internações, entre outras. Em suma: exige qualidade e respeito na assistência aos cidadãos.

Do ponto de vista da adesão, a ação foi um sucesso. A Associação Médica Brasileira, Conselho Federal de Medicina e Federação Nacional dos Médicos estimam que entre 70% e 80% dos profissionais atenderam ao chamado para suspender o atendimento eletivo.

A repercussão também foi excelente, sendo melhor ainda a resposta da sociedade civil. Os protestos receberam apoio do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (SINDHOSP), Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP), Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste), Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Conselho Regional de Odontologia (Crosp) e Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD), Associação dos Usuários dos Planos de Saúde do Estado de São Paulo (Aussesp), só para citar alguns.

Os pacientes, como sempre, foram solidários. Mesmo porque, eles sofrem igualmente com os planos de saúde. São negativas de cobertura e toda a sorte de problemas, que, aliás, fazem do setor um dos recordistas em número de reclamações nos órgãos de defesa do consumidor.

Na prática, será necessário tempo para se chegar a algumas das reivindicações. Contudo, certos resultados já começaram a aparecer. Em 13 de abril, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou, no Diário Oficial, uma súmula proibindo que planos de saúde ofereçam pacotes de bonificação a quem pedir menos exames a seus pacientes.

Conhecido como consulta bonificada ou pagamento por performance, o estratagema tem sido denunciado por entidades médicas. Recente pesquisa Datafolha, encomendada pela Associação Paulista de Medicina, registra que nove entre dez médicos sofrem interferências das empresas.

Um descalabro desses é mais do que uma questão de ética. É uma questão de moral, ou de falta dela. Os médicos brasileiros jamais aceitarão que seus pacientes sejam prejudicados por interesses puramente mercantilistas.

*Antonio Carlos Lopes, presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica

"The Brazilian doctors will never accept that their patients are harmed by mercantile interests," says president of SBCM

Brazilian doctors gave on April 7 a great example of citizenship. Throughout Brazil, from tip to tip, stopped the service to health plans by professional dignity and morality in the health insurance.

The move, widely publicized by the media, seek professional valuation, with recovery of fees, many delayed for over a decade. In parallel, claims adjustments include clauses in contracts of service, as many plans offer no such assurance to the doctors, not something that happens with any other profession in the country. Finally, and as relevant as it requires an end to the pressures that companies make to lower orders for tests, hospitalizations, among others. In short, demands quality and compliance assistance to citizens.

From the perspective of accession, the action was a success. The Brazilian Medical Association, the Federal Council of Medicine and the National Federation of Doctors estimate that between 70% and 80% of the respondents answered the call to suspend elective care.

The effect was also excellent and even better the response of civil society. The protests received support from the Union of Hospitals, Clinics and Laboratories of the State of São Paulo (Sindhosp), Federation of Hospitals, Clinics and Laboratories of the State of São Paulo (FEHOESP), Brazilian Association of Consumer Protection (Pro Test), Institute of Consumer Defense (Idec), Regional Council of Dentistry (CROSP) and São Paulo Association of Dental Surgeons (APCD), Association of Users of Health Plans in the State of São Paulo (Aussesp), just to name a few.

Patients, as always, was sympathetic. Not least because they also suffer with health plans. Are negative coverage, and all sorts of problems, which, incidentally, are one of the industry on record number of complaints in consumer protection agencies.

In practice, you will need time to get to some of the claims. However, some results have started to appear. On April 13, the National Health Agency (ANS) published in the Official Gazette, a statement prohibiting health plans that they offer a rebate to those who request fewer tests to their patients.

Known as consultation subsidized or pay for performance, the ruse has been denounced by medical groups. Latest Datafolha, commissioned by the Associação Paulista de Medicina, reports that nine out of ten doctors suffer interference from the companies.

One such disaster is more than an ethical issue. It is a question of morality, or lack thereof. Brazilian doctors will never accept that their patients are harmed by purely mercantilist interests.

* Antonio Carlos Lopes, president of the Brazilian Society of Medical

Saúde implanta modelo de gestão da saúde indígena que dá autonomia a distritos sanitários Health deploys management model of health that gives autonomy to indigenous health districts in Brazil

Paula Laboissière
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, anunciou hoje (19) a autonomia de gestão de 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (Dsei), unidades responsáveis pela administração dos serviços de saúde prestados aos povos indígenas brasileiros.

A medida permite que cada unidade realize licitações e compras emergenciais para alimentação, combustível e manutenção de equipamentos. Até então, era preciso aguardar a movimentação de superintendências regionais da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), localizadas apenas nas capitais do país.

“O território, às vezes, ultrapassa o município e o estado e, por isso, tem que ter um gestor com características diferentes”, disse Padilha. “A partir de hoje, quem cuida de saúde indígena é o Ministério da Saúde”, completou. A ideia, de acordo com a pasta, é tentar garantir um atendimento mais rápido às necessidades locais das populações.

Para o representante da Comissão Nacional de Políticas Indígenas, Lindomar Xokó, o anúncio da autonomia dos Dsei representa um avanço na saúde indígena. Ele explicou que a maioria das tribos, atualmente, conta com postos ou pólos de saúde, mas as equipes que realizam trabalho preventivo, por exemplo, permanecem nas cidades.

“A situação é caótica. Queremos a execução direta, do ministério ao distrito”, afirmou. “O Dia do Índio [comemorado hoje (19)], para a gente, é todo dia. Precisamos trabalhar melhor nas escolas para trazer esse reconhecimento não só hoje, mas todos os dias”, concluiu.

A pasta anunciou ainda a prorrogação, até 31 de dezembro, da transição das ações de atenção primária à saúde indígena da Funasa para o ministério. O decreto que criou a Secretaria Especial de Saúde Indígena, em outubro de 2010, havia estabelecido um prazo de 180 dias para a conclusão do processo.

Segundo o ministro, a medida foi necessária para finalizar a concorrência pública para prestação de serviços e a celebração de novos convênios. “Temos contratos que ainda existem e que têm prazos maiores. Não é possível romper”, explicou.

Brasilia - The Minister of Health, Alexandre Padilha, announced today (19) the autonomous management of 34 Special Indigenous Sanitary Districts (DSEI), units responsible for administering health services to indigenous peoples in Brazil.

The measure allows each unit to perform procurement and emergency purchases for food, fuel and equipment maintenance. Until then, you had to wait for the movement of regional superintendents of the National Health Foundation (FUNASA), located just in the capitals of the country.

"The territory, sometimes beyond the county and state and therefore must have a manager with different characteristics," said Padilla. "As of today, who cares for indigenous health is the Health Ministry," he added. The idea, according to the folder, is to try to ensure a faster service to the local needs of populations.

For the representative of the National Commission on Indigenous Policy, Lindomar Xokó, the proclamation of independence of DSEI represents an advance in indigenous health. He explained that most of the tribes, currently has offices or health centers, but the teams that carry out preventive work, for example, reside in cities.

"The situation is chaotic. We want to direct execution, the ministry at the district, "he said. "The Indian Day [celebrated today (19)] for us, is every day. We need to work better in schools to bring this recognition not only today but every day, "he concluded.

The folder also announced the extension until December 31, the transition of the shares of primary health care for indigenous FUNASA ministry. The decree that created the Special Secretariat of Indigenous Health in October 2010, had set a deadline of 180 days to complete the process.

The minister said the measure was needed to finish the competition for public service delivery and signing of new agreements. "We have contracts that still exist and have longer terms. You can not break, "he explained.

Senado aprova repasse de recursos federais para ações de saúde em países pobres Senate approves transfer of federal resources for health in poor countries

Marcos Chagas
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O governo federal foi autorizado hoje (19) formalmente pelo Parlamento a doar recursos a instituições internacionais com o objetivo de apoiar o desenvolvimento na área de saúde, de países de menor renda. O projeto, já apreciado pela Câmara, foi aprovado em caráter terminativo na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. A matéria vai para a sanção presidencial.

Com isso, o Executivo poderá contribuir para a Aliança Global para Vacinas e Imunização (Global Alliance for Vaccines and Immunization – Gavi) com US$ 20 milhões ao longo de 20 anos como prevê o projeto de lei. Os recursos serão destinados a campanhas de vacinação em países de baixa renda.

O governo também está autorizado a contribuir com a Central Internacional para Compra de Medicamentos (Unitaid) na proporção de US$ 2 por passageiro de aviões que desembarque no Brasil com destino ao exterior.

Com relação aos R$ 20 milhões que serão repassados para ações de vacinação, a relatora da matéria, Lídice da Mata (PSB-BA), disse que a doação não impactará os cofres do governo uma vez que será repassado o total de US$ 1 milhão ao ano.

O repasse à Unitaid deve representar um aporte anual de US$ 12 milhões. Ela reconheceu, entretanto, que o valor “está subestimado” por conta do crescimento das viagens internacionais.

Brasilia - The federal government was authorized today (19) formally by Parliament to donate funds to international institutions with the aim of supporting development in the area of health, lower income countries. The project, already considered by the Board, was approved in a terminating character in the Economic Affairs Commission (EAC) of the Senate. The matter goes to presidential approval.

With this, the Executive may contribute to the Global Alliance for Vaccines and Immunization (Global Alliance for Vaccines and Immunization - GAVI) with $ 20 million over 20 years as required by the bill. The funds are intended to vaccination campaigns in low income countries.

The government is also allowed to contribute to the Central International Drug Purchase Facility (UNITAID) at U.S. $ 2 per passenger planes landing in Brazil to destinations abroad.

Regarding the $ 20 million to be transferred to mass immunization campaigns, the draftsman of the matter, Lidice da Mata (PSB-BA), said the donation will not impact the government coffers since it will be passed a total of U.S. $ 1 million a year.

Passing the UNITAID should represent an annual consumption of $ 12 million. She acknowledged, however, that the value is "undervalued" because of the growth of international travel.

Começo de residência causa sintomas de depressão em jovens médicos Home residence causes symptoms of depression in young doctors

Pesquisa mostra que sensação de impotência causa ansiedade e comportamento depressivo
Research shows that feeling of powerlessness cause anxiety and depressive behavior


Sintomas de depressão entre médicos que passam pela residência podem estar ligados ao primeiro contato direto com pacientes. Essa é a constatação de uma pesquisa da Universidade Federal do Paraná. O estudo foi publicado pela Agência USP.

Segundo o médico Luciano Souza, autor da pesquisa, a perda da idealização é o principal fator que atrapalha a qualidade de vida e a sociabilidade do aluno. Segundo ele, essa perda vem acompanhada pelo sentimento de luto, ou seja, a manifestação psicológica relacionada às perdas em geral.

Os resultados são de um estudo realizado com 223 alunos do primeiro ao sexto ano, da universidade paranaense. De acordo com Souza, é comum o alunos da residência passarem por situações que causam ansiedade, em especial, quando não podem ajudar ou não sabem lidar com a perda de um paciente, ou não são capazes de estarem juntos a uma pessoa doente.

- O contato com o paciente é muito aguardado e idealizado com o paciente. Contudo, devido às dificuldades e limitações pela qual o aluno passa neste contato, acaba ocorrendo uma perda da idealização de ser médico.

Para Souza, é necessário identificar qual é o momento do curso que o aluno passa por isso para evitar maiores sofrimentos. Segundo ele, “hoje em dia, o aluno que apresenta este quadro psicológico de luto não deve receber tratamento ou acompanhamento. Deve-se, sim, observar a evolução desse estado, e ver se o estudante supera o quadro dentro de um período satisfatório”.

Symptoms of depression among doctors who pass by the residence may be linked to the first direct contact with patients. That's the finding of a survey of the Federal University of Parana. The study was published by the Agency USP.

According to the doctor Luciano Souza, author of the study, the loss of idealization is the main factor that hinders the quality of life and sociability of the student. According to him, this loss is accompanied by feelings of grief, that is, the psychological manifestations related to losses in general.

The findings are from a study involving 223 students from first to sixth year, the University of Parana. According to Souza, is the common residence of the students go through situations that cause anxiety, especially when they can not help or can not deal with the loss of a patient, or are not able to be together for a sick person.

- The contact with the patient is highly anticipated and designed with the patient. However, due to the difficulties and limitations in which the student spends in contact, occurring just a loss of the idealization of the physician.

For Spencer, it is necessary to identify which is the moment of course that the student goes through this to avoid further suffering. He said: "Today, the student presents this psychological picture of mourning should not receive treatment or monitoring. It should, rather, to observe the evolution of this state, and see if the student exceeds the framework within a satisfactory period. "

Análise do genoma mais fácil otimiza tratamento do câncer Analysis of the genome more easily optimize cancer treatment

Estudos conduziram diferentes tratamentos contra a leucemia
Studies conducted different treatments against leukemia

Estabelecer a sequência do genoma está cada vez mais rápido e barato, e pode eliminar as meras conjecturas no tratamento do câncer e oferecer terapias personalizadas para combater os tumores, revelam dois estudos publicados no Journal of the American Medical Associaton.

Em 2003, decifrou-se pela primeira vez a sequência do genoma humano, seguida da do primeiro tumor, em 2008, o que fascinou os médicos como um potencial precedente para personalizar o tratamento.

No entanto, persiste a controvérsia acerca de questões éticas que aparecem quando as pessoas começam a saber mais sobre seus mapas genéticos, desde preocupações sobre a privacidade até decisões sobre a procriação e a exploração dos defeitos genéticos da descendência.

Os dois estudos publicados no Journal of the American Medical Association detalham como a sequência do genoma de um paciente conduziu os médicos a um tratamento diferente contra a leucemia, enquanto que outro paciente morreu, mas deixou seus três filhos com informação potencialmente valiosa sobre seu futuro genético.

Os autores do estudo disseram que esses casos oferecem a esperança de que, dado o fato de a tecnologia estar ficando mais barata e os pesquisadores reunirem mais dados sobre o câncer e suas variadas mutações, o campo da oncologia se transforme nos próximos cinco ou dez anos.

O que habitualmente custava dezenas de milhões de dólares e tomava meses, agora custa em torno de 40.000 dólares e pode fornecer resultados detalhados em cerca de seis semanas, disse Richard Wilson, diretor do Instituto Genoma da Universidade de Washington.

- Estes dez últimos anos em que estive trabalhando no genoma do câncer foram muito reveladores. Pensávamos na leucemia, no câncer de pulmão ou no câncer de mama como se fossem a mesma doença em todos os pacientes, mas as coisas não são assim. É uma complexa doença genética... na maioria dos casos é necessário saber como o genoma causa a doença para tratá-la com efetividade.

Um estudo centrado em uma mulher de 39 anos parecia ser um caso clássico de leucemia promielocítica aguda (APL), mas carecia dos sinais genéticos habitualmente associados a ela.

Ao sequenciar o genoma da paciente e do tumor e comparando-os, os médicos se deram conta de que a mulher tinha uma inusual inserção genética de um cromossomo no outro, que mimetizava um tipo de câncer que se trata melhor com quimioterapia no lugar de um arriscado transplante de medula óssea ou um tratamento com células-tronco.

- A sequência do genoma das células com leucemia do paciente oferece a oportunidade de resolver esse dilema em 'tempo real' e nos permite fazer o diagnóstico correto e recomendar uma terapia" específica, disse o oncologista do paciente, Peter Westervelt, da Universidade de Washington.

A paciente está agora no caminho da recuperação, sendo que chegou ao hospital com possibilidade de sobrevivência de menos de 15%.

Centenas de pacientes nos Estados Unidos e no Reino Unido já aceitaram permitir o estudo de seu genoma, e algumas empresas estão adiantando a tecnologia, disse Boris Pasche, da Universidade do Alabama, em Birmingham.

Establish the sequence of the genome is becoming faster and cheaper, and can eliminate the mere conjecture in the treatment of cancer and offer personalized therapies to combat tumors, show two studies published in the Journal of the American Medical Associaton.

In 2003 deciphered for the first time the human genome sequence, followed by the first tumor in 2008, which fascinated the doctors as a potential precedent for individualizing treatment.

However, controversy persists about the ethical issues that arise when people begin to learn more about their genetic maps, since concerns about privacy to decisions about procreation and exploitation of genetic defects in offspring.

The two studies published in the Journal of the American Medical Association detailing how the genome sequence of a patient led doctors to a different treatment for leukemia, while another patient died, but left her three children with potentially valuable information about your genetic future .

The study's authors said that these cases offer the hope that, given the fact the technology is getting cheaper and researchers gather more data about cancer and its various mutations, the field of oncology to become the next five or ten years .

What usually costs tens of millions of dollars and took months, now costs around $ 40,000 and can provide detailed results in about six weeks, said Richard Wilson, director of the Genome Institute University of Washington.

- These past ten years I was working in the cancer genome were very revealing. We thought in leukemia, lung cancer or breast cancer as if they were the same disease in all patients, but things are not so. It is a complex genetic disease ... in most cases you need to know how the genome causes the disease to treat it effectively.

A study focused on a woman of 39 years seemed to be a classic case of acute promyelocytic leukemia (APL), but lacked the genetic markers usually associated with it.

By sequencing the genome of the patient and tumor and comparing them, the doctors realized the woman had an unusual insertion of a gene on another chromosome, which mimicked a type of cancer that it is better to chemotherapy in place of a risky bone marrow transplant or a stem cell treatment.

- The genome sequence of the leukemia cells of patients offers the opportunity to resolve this dilemma in 'real time' and enables us to make the correct diagnosis and recommend a therapy "specific," said the patient's oncologist, Peter Westervelt, University of Washington .

The patient is now on the road to recovery, as he reached the hospital with the possibility of survival of less than 15%.

Hundreds of patients in the U.S. and the UK have already agreed to allow study of its genome, and some companies have been advancing the technology, said Boris Pasche of the University of Alabama at Birmingham.

Laboratório lança colírio genérico para tratamento de glaucoma

Remédio é mais econômico que a versão de referência

O Laboratório Teuto iniciou nesta segunda-feira (18) a comercialização de um colírio genérico para o tratamento de glaucoma. Trata-se do genérico cloridrato de dorzolamida + maleato de timolol, que chega ao mercado R$ 31,83 mais barato que o medicamento referência.

Isso vai representar uma economia de 35,7% ao consumidor. A patente do produto, o Cosopt (Merck Sharp & Dohme), caiu no último domingo (17). Atualmente esse colírio movimenta R$ 35 milhões por ano no mercado.

Pneumonia: pode faltar tratamento Pneumonia may miss treatment

Mariana Lenharo

A crescente resistência bacteriana aos antibióticos, sobretudo pelo uso inadequado desses medicamentos, pode limitar as opções de tratamento que os médicos têm contra as infecções pneumocócicas, entre as quais a pneumonia é a de maior importância para os adultos brasileiros. A doença, aparentemente simples, é a principal causa das internações no País, segundo o Ministério da Saúde.

O assunto foi tema do XV Congresso Panamericano de Infectologia, realizado na primeira semana de abril, no Uruguai, e acompanhado pelo Jornal da Tarde. “Hoje, há bactérias dentro dos hospitais contra as quais não temos mais antibióticos para prescrever.

Nos EUA, a cada seis crianças que consultam um médico, uma sai com prescrição de antibióticos. Esse exagero é uma preocupação no mundo todo”, diz a infectologista Rosana Richtmann, médica do Instituto Emílio Ribas e presidente da Associação Paulista de Infectologia.

Rosana, que também é vice-presidente da Associação Paulista de Estudos e Controle de Infecção Hospitalar (APECIH), afirma que as crianças estão entre os pacientes mais atingidos pelo exagero de prescrições. Ela planeja uma campanha de conscientização da população, incentivando que os pacientes cobrem explicações dos médicos sempre que eles prescreverem um antibiótico.

“Se você morasse na Suécia, levasse seu filho ao médico e ele prescrevesse um antibiótico, ele teria de explicar muito bem por que está indicando aquele remédio porque lá a população foi treinada para saber que antibiótico só deve ser tomado quando realmente necessário”, explica.

Na conferência Doenças pneumocócicas: ônus na América Latina, Rosana debateu com outras autoridades em infectologia da Argentina, Uruguai e EUA as estratégias de prevenção contra a pneumonia. A doença também preocupa o Brasil porque o risco de morte e a incidência são maiores nos idosos e a população brasileira está envelhecendo.

A infectologista diz, citando dados do Banco Mundial (Bird), que até 2050 a população idosa brasileira terá triplicado, o que significa que “haverá também três vezes mais potenciais pacientes de pneumonia.”

Durante o evento, o médico Alejandro Cané, professor da Universidade Austrau da Argentina, frisou que a prescrição inadequada de antibióticos é muito comum. “Muitas infecções são virais e não necessitam de antibiótico. Para evitar o mau uso dos medicamentos, é preciso que exista uma educação médica contínua e que as sociedades científicas estabeleçam tratamentos adequados para cada situação.”

Além dos idosos e das crianças menores de dois anos, pacientes com enfermidades crônicas – como diabete, insuficiência renal ou aids – também são mais suscetíveis às doenças pneumocócicas, segundo o médico Eduardo Savio Larriera, assessor na área de doenças infecciosas no Ministério de Saúde Pública do Uruguai.

Fumantes e pessoas que já tiveram uma doença desse tipo formam um outro grupo que apresenta grande vulnerabilidade.

A repórter viajou a convite do laboratório Pfizer

Bacterial resistance to antibiotics, especially by improper use of these medications may limit treatment options that physicians have against pneumococcal infections, including pneumonia is the most important for Brazilian adults. The disease, apparently simple, is the leading cause of hospitalizations in the country, according to the Ministry of Health

The matter was the subject of the XV Panamerican Congress of Infectious Diseases, held the first week of April, Uruguay, and accompanied by the Jornal da Tarde. "Today, there are bacteria in hospitals against which we have no antibiotics to prescribe.

In the U.S., six children who consult a doctor comes out with a prescription of antibiotics. This exaggeration is a concern worldwide, "says Rosana Richtmann infectious disease, medical Emilio Ribas Institute and president of the Paulista Association of Infectious Diseases.

Rosana, who is also vice president of the Paulista Association for the Study and Control of Hospital Infection (APECIH) says that children are among the patients most affected by the exaggeration of prescriptions. She plans a campaign of public awareness, encouraging patients to cover doctors' explanations that they always prescribe an antibiotic.

"If you lived in Sweden, took his son to the doctor and he prescribed an antibiotic, it would explain very well why you are indicating that remedy because there was a population trained to know that antibiotics should only be used when really necessary," explains .

At the conference Pneumococcal Disease: Burden in Latin America, Rosana discussed with other authorities on infectious diseases in Argentina, Uruguay and the U.S. strategies for preventing pneumonia. The disease is also an issue in Brazil because the risk of death and incidence is higher among the elderly and the Brazilian population is aging.

The infectious disease specialist says, citing data from the World Bank (IBRD), which by 2050 the elderly population will have tripled, which means that "there will be three times more potential patients with pneumonia."

During the event, the doctor Alejandro Cane, professor at the University of Austrau Argentina, stressed that inappropriate prescribing of antibiotics is very common. "Many infections are viral and do not require antibiotics. To prevent the misuse of drugs, there must be a continuing medical education and scientific societies to establish appropriate treatment for each situation. "

Besides the elderly and children under two years, patients with chronic illnesses - such as diabetes, renal failure or AIDS - are also more susceptible to pneumococcal disease, said Dr. Eduardo Savio Larrieu, advisor in the area of ​​infectious diseases at the Ministry of Public Health Uruguay.

Smokers and people who have had a disease such form another group that has great vulnerability.

The reporter traveled at the invitation of Pfizer

Falso médico é preso em clínica no Rio Fake doctor arrested in a clinic in Rio

Sérgio Luiz Pinto Magaldi estava sendo investigado há 20 dias
Sérgio Luiz Pinto Magaldi was under investigation for 20 days

São Paulo, 19 - Um falso médico ginecologista foi preso em flagrante na Clínica Redentor, no bairro Jardim Redentor, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense, no último sábado, 16.

Sérgio Luiz Pinto Magaldi, de 60 anos, foi detido por policiais da Delegacia de Repressão aos crimes Contra a Saúde Pública durante atendimento.

De acordo com os policiais, naquela manhã, o falso médico atendeu dez mulheres. Três pacientes foram encontradas na clínica. Elas haviam feitos exames e uma delas teria passado por uma cauterização. Sérgio estava sendo investigado há 20 dias.

No local foram apreendidos equipamentos médico, fichas de pacientes, material para coletas de exames, carimbo do falso médico com número do Conselho Regional de Medicina de um profissional e receituário. Sérgio Luiz foi autuado por exercício ilegal da profissão, falsidade ideológica e uso de documento falso.

São Paulo, 19 - A fake gynecologist was arrested in flagrante Clinic Redeemer, in the Jardim Redentor, in Belford Roxo, in the Baixada Fluminense on Saturday, 16.

Sérgio Luiz Pinto Magaldi, 60, was arrested by police the Police Crackdown on Crimes Against Public Health for assistance.

According to the police that morning, the fake doctor attended ten women. Three patients were found in the clinic. They had done tests and one had undergone a cauterization. Sergio was under investigation for 20 days.

At the site were seized medical equipment, patient records, collected material for examination, stamp fake doctor with many of the Regional Council of Medicine and a professional prescription. Sergio Luiz was booked for illegal practice, forgery and using false documents.

Fumo passivo pode afetar saúde mental das crianças Secondhand smoke can affect children's mental health

Cerca de 7% das crianças observadas apresentaram sintomas de déficit de atenção com hiperatividade
About 7% of children observed showed symptoms of attention deficit hyperactivity disorder

Reuters

SÃO PAULO - Respirar fumaça de cigarro pode aumentar o risco de desordem mental e comportamental em crianças, o que inclui déficit de atenção com hiperatividade (TDAH), aponta um estudo publicado na revista científica Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine.

O estudo sugere ainda que as crianças de mães que fumam enquanto estão grávidas podem ser mais propensas a terem problemas de comportamento. A exposição ao fumo passivo também foi ligada a problemas de coração e respiratório em crianças.

"Já é tempo de começarmos a prevenir as crianças da exposição (ao fumo passivo) se estivermos comprometidos com a prevenção destas doenças", disse Dr. Bruce Lanphear, chefe de um centro especializado na saúde infantil de Cincinnati, nos Estados Unidos.

Os autores do estudo, conduzido por Frank Bandiera, da Universidade de Medicina Miller, observaram a ligação entre o fumo passivo e a saúde metal em crianças com idades entre 8 e 15 anos. Os pesquisadores também entrevistaram as crianças para ver qual delas já apresentava sintomas de desordem mental e comportamental.

Depois de levar em conta fatores como idade e raça, os meninos expostos a fumo passivo eram mais propensos aos sintomas do TDAH, depressão, ansiedade e transtorno de conduta. As meninas demonstravam mais sintomas relacionados ao TDAH e ansiedade.

No entanto, o número de crianças que foi diagnosticada com boa parte destas condições foi pequena. Enquanto 201 crianças observadas no estudo, ou cerca de 7% do total, tinham sintomas suficientes de ADHD para ser diagnosticada com a desordem, apenas 15 crianças foram diagnosticadas com depressão e 9 com transtorno de ansiedade.

Os pesquisadores notaram que pode ser difícil separar os efeitos do fumo passivo com os males causados pelas mães que fumam enquanto grávidas. Lanphear disse que por enquanto podemos não ter evidências suficientes para ligar o fumo passivo a problemas mentais, mas que seria uma surpresa se não existisse um elo entre eles. Os autores concluíram ser necessário mais esforços tanto para banir o fumo nos lugares públicos onde haja crianças, como para evitar a exposição delas à fumaça em casa.

SAO PAULO - Breathing cigarette smoke may increase the risk of mental and behavioral disorder in children, including attention deficit hyperactivity disorder (ADHD), a study published in the journal Archives of Pediatrics & Adolescent Medicine.

The study also suggests that children of mothers who smoke while they are pregnant may be more likely to have behavior problems. Exposure to passive smoking was also linked to heart and respiratory problems in children.

"It is time we started to prevent children from exposure (secondhand smoke) if we are committed to preventing these diseases," said Dr. Bruce Lanphear, head of a center specializing in child health in Cincinnati, USA.

The study authors, led by Frank Bandiera, University of Medicine Miller, noted the link between passive smoking and health metal in children aged between 8 and 15 years. The researchers also interviewed the children to see which was already experiencing symptoms of mental and behavioral disorder.

After taking into account factors such as age and race, the children exposed to secondhand smoke were more prone to symptoms of ADHD, depression, anxiety and conduct disorder. Girls showed more symptoms related to ADHD and anxiety.

However, the number of children who were diagnosed with these conditions was much smaller. While 201 children observed in the study, or about 7% of the total, had sufficient symptoms of ADHD to be diagnosed with the disorder, only 15 children were diagnosed with depression and anxiety disorder 9.

The researchers noted that it may be difficult to separate the effects of secondhand smoke with the evils caused by mothers who smoke while pregnant. Lanphear said that for now we may not have enough evidence to link secondhand smoke to mental problems, but it would be a surprise if there was a link between them. Conclusions efforts are needed both to ban smoking in public places where there are children, and to prevent their exposure to smoke at home.

Novo material aumenta precisão em biópsia de câncer de mama New material increases accuracy in breast cancer biopsy in Brazil

Um novo material feito de um polímero que se parece com silicone, desenvolvido por pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora, promete melhorar a precisão da retirada de pequenas lesões nos seios.

O material é injetado por uma agulha e substitui o contraste de iodo para marcar a região exata da lesão antes da cirurgia de retirada do tecido mamário.

Segundo Geraldo Vitral, mastologista e pesquisador que desenvolveu o material, o polímero, ao contrário do iodo, não é absorvido nem se "espalha" pelo corpo.

"A grande vantagem do produto é o aumento da precisão cirúrgica."

Além disso, o pesquisador afirma que o polímero não causa alergias como o iodo.

Um estudo com o material, desenvolvido com apoio do Sebrae-MG e testado em mais de cem pacientes, foi publicado no periódico "Radiology and Oncology".

Batizada de BLD Marker (marcador da lesão mamária, na sigla em inglês), o produto será lançado comercialmente no fim de maio.

Segundo Rafael Schmerling, oncologista do Hospital São José, o produto é promissor, mas é preciso fazer mais testes. "Seria necessário um estudo comparativo entre as duas técnicas. A prática dos radiologistas vai mostrar se a novidade é melhor ou não."


A new material made ​​of a polymer that looks like silicon, developed by researchers at the Federal University of Juiz de Fora, promises to improve the accuracy of the removal of small breast lesions.

The material is injected by a needle and replace the iodine contrast to mark the exact region of the lesion before surgery to remove breast tissue.

According to Geraldo Stained Glass, breast cancer specialist and researcher who developed the material, polymer, unlike the iodine is not absorbed or "spreads" through the body.

"The great advantage of the product is increasing surgical precision."

In addition, the researcher claims that the polymer does not cause allergies such as iodine.

A study of the material, developed with support from Sebrae-MG and tested on more than one hundred patients, was published in the journal Radiology and Oncology.

Called BLD Marker (marker of breast lesion, its acronym in English), the product will be commercially released in late May.

According to Rafael Schmerling, an oncologist at St. Joseph Hospital, the product is promising but need further testing. "It would take a study comparing the two techniques. The practice of radiologists will show whether the news is better or not."

EUA aprovam dispositivo portátil para tratar câncer de cérebro U.S. approves portable device to treat brain cancer

FDA (agência reguladora de medicamentos e alimentos dos Estados Unidos) anunciou na semana passada a aprovação de um dispositivo portátil que interrompe a divisão de células que contribui para o crescimento e propagação de tumores no cérebro.

O dispositivo NovoTTF-100A, do fabricante israelense Novocure, foi projetado para tratar adultos com glioblastoma multiforme (GBM, em inglês), um câncer muito comum e agressivo que costuma resistir aos tratamentos cirúrgicos, quimioterapia e radiação, explicou a FDA em comunicado.

"O glioblastoma multiforme recorrente é um tipo de câncer cerebral devastador que frequentemente resiste aos tratamentos padrões", explicou o diretor da FDA responsável pela aprovação de dispositivos, Jeffrey Shuren.

Para as autoridades médicas, o sistema NovoTTF-100A, que foi aprovado com base nos resultados de um único estudo internacional com 237 pacientes, oferece novas opções de tratamento.

Até agora, o tratamento de tumores primários do cérebro consistiu em remédios, cirurgia e radiação, ou mesmo uma combinação desses elementos.

O sistema é composto de uma série de eletrodos implantados no couro cabeludo do paciente e emitem descargas elétricas de baixa intensidade para atacar o tumor cerebral.

Segundo a FDA, a forma e características elétricas das células cancerígenas em processo de divisão são suscetíveis aos chamados "Campos de Tratamento do Tumor" (TTF, em inglês), "o que poderia frear o crescimento do tumor".

O dispositivo é portátil --pesa 2,7 kg--, funciona com baterias ou com energia elétrica, e o paciente pode utilizá-lo em casa e assim continuar suas atividades diárias com normalidade, acrescentou.

O estudo internacional não demonstrou um aumento no período de sobrevivência dos pacientes que utilizaram o dispositivo, em comparação com os que se submeteram a quimioterapia. Em ambos grupos, os pacientes registraram uma média de seis meses adicionais.

O entusiasmo em torno do aparelho se deve aos pacientes que usaram o NovoTTF-100A e tiveram uma melhor qualidade de vida.

Em geral, indicou a FDA, os pacientes que foram submetidos ao tratamento com o dispositivo experimentaram uma maior incidência de efeitos neurológicos secundários, incluindo convulsões e dores de cabeça, em comparação com os que receberam quimioterapia. No entanto, os pacientes que usaram o novo sistema não reportaram problemas de náusea, anemia, fadiga, diarreia e infecções graves, como costuma ocorrer com a toxicidade da quimioterapia.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer, cada ano aproximadamente 19 mil pessoas nos Estados Unidos são diagnosticadas com câncer no cérebro. Em 2010, houve 13.140 mortes por este tipo de câncer e outros do sistema nervoso no país.

FDA (regulatory agency for medicines and food from the U.S.) last week announced the approval of a portable device that stops cell division that contributes to the growth and spread of tumors in the brain.

The device NovoTTF-100A, the Israeli manufacturer NovoCure, was designed to treat adults with glioblastoma multiforme (GBM, in English), a very common and aggressive cancer that often resist surgical treatment, chemotherapy and radiation, the FDA said in a statement.

"The recurrent glioblastoma multiforme is a devastating type of brain cancer that often resists standard treatments," explained the director of the FDA responsible for approving devices, Jeffrey Shuren.

For the medical authorities, the system NovoTTF-100A, which was approved based on results of a single international study with 237 patients, offers new treatment options.

Until now, treatment of primary brain tumors consisted of medicine, surgery and radiation, or even a combination of these.

The system consists of a series of electrodes implanted in the patient's scalp and emit electrical discharges of low intensity attack the brain tumor.

According to the FDA, the shape and electrical characteristics of cancer cells undergoing division are susceptible to so-called "Field of Tumor Treatment" (TTF, in English), "which could halt tumor growth."

The device is portable - it weighs 2.7 kg - runs on batteries or electricity, and the patient can use it at home and to continue with normal daily activities, he added.

The international study showed no increase in survival time of patients who used the device, compared with those who underwent chemotherapy. In both groups, patients reported an average of six additional months.

The hype surrounding the device is due to patients who used the NovoTTF-100A and have had a better quality of life.

In general, said the FDA, patients who were treated with the device experienced a higher incidence of adverse neurological effects, including seizures and headaches, compared with those receiving chemotherapy. However, patients who used the new system will not report problems of nausea, anemia, fatigue, diarrhea and severe infections, as commonly occurs with the toxicity of chemotherapy.

According to the National Cancer Institute, each year approximately 19 000 people in the United States are diagnosed with brain cancer. In 2010, there were 13,140 deaths from this type of cancer and other nervous system in the country.

Estudo descarta ligação entre refrigerante light e diabetes Study rules out link between diabetes and diet cola

Um estudo da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, revelou que as bebidas gasosas adoçadas artificialmente e as light, que utilizam substitutos do açúcar para reduzir as calorias, não causam diabetes.

O objetivo do estudo, publicado na revista "The American Journal of Clinical Nutrition", era investigar a relação da ingestão de bebidas com açúcar e adoçadas artificialmente com a incidência do diabetes tipo 2.

Durante muito tempo, refrigerantes lights foram apontados como responsáveis por aumentar o risco de a pessoa desenvolver diabetes, uma doença que afeta 25,8 milhões de pessoas nos Estados Unidos.

Os pesquisadores analisaram a evolução de 40 mil pessoas que consumiam este tipo de bebida por um período de 20 anos.

Os resultados indicaram que aqueles que tomaram bebidas gasosas e doces aumentaram a possibilidade de desenvolver diabetes em 16%, em comparação com as pessoas que não ingeriram essas bebidas.

No entanto, o resultado não foi o mesmo no caso das pessoas que ingeriram bebidas light.

Apesar de alguns consumidores de bebidas light adoçadas artificialmente terem desenvolvido diabetes, após analisar fatores como a pressão sanguínea e os níveis de colesterol e o peso, os pesquisadores perceberam que o desenvolvimento da doença estava vinculado a problemas como excesso de peso, dieta e índice de massa corporal e não às bebidas.

Frank Hu, coautor do estudo, afirmou que há alternativas às bebidas gasosas e, embora as dietéticas não sejam a melhor opção, seu consumo moderado não tem os efeitos nocivos que se pensavam.

O consumo de bebidas doces se associa a um risco significativamente elevado de desenvolver diabetes do tipo 2, enquanto a associação entre as bebidas adoçadas artificialmente e esse tipo de diabetes se explica em grande parte pelo estado de saúde da pessoa.

O estudo também revelou que o consumo diário de café, tanto normal quando descafeinado, diminui o risco de a pessoa desenvolver diabetes. Os pesquisadores não têm certeza sobre o motivo para isso, mas acreditam que poderia ser por causa de antioxidantes, vitaminas e minerais presentes no café.

A study from Harvard University in the United States showed that the artificially sweetened soft drinks and light, using sugar substitutes to reduce calories, do not cause diabetes.

The aim of the study, published in The American Journal of Clinical Nutrition, was investigating the relationship between intake of sugar and artificially sweetened with the incidence of type 2 diabetes.

For too long, soft lights were blamed for increasing the risk of a person developing diabetes, a disease that affects 25.8 million people in the United States.

The researchers analyzed the evolution of 40 000 people who consumed this type of drink for a period of 20 years.

The results indicated that those taking fizzy drinks and sweets increased the possibility of developing diabetes by 16%, compared with people who did not ingest these drinks.

However, the result was not even in the case of people who drank light drinks.

Although some consumers light artificially sweetened drinks have developed diabetes after analyzing factors like blood pressure and cholesterol levels and weight, researchers found that disease development was linked to problems such as overweight, diet and body mass index body and not to drink.

Frank Hu, a study co-author, said there are alternatives to soft drinks, and while the diet is not the best option, its moderate consumption has no adverse effects that were once thought.

The consumption of soft drinks is associated with a significantly elevated risk of developing type 2 diabetes, while the association between sweetened beverages and this type of diabetes is explained largely by the state of health.

The study also revealed that daily consumption of coffee, when both normal decaf, reduces the risk of a person developing diabetes. Researchers are not sure about the reason for this, but believe it could be because of antioxidants, vitamins and minerals in coffee.

Diarreia é segunda causa de morte em crianças Diarrhoea is the second leading cause of death in children

As diarreias são a segunda maior causa de morte em crianças de até cinco anos no mundo, perdendo só para a pneumonia.

Estima-se que o rotavírus seja responsável por cerca de um terço das diarreias. Infecções por bactérias, como a salmonela, por outros vírus e problemas metabólicos, como a intolerância a lactose, são responsáveis pela maioria dos demais casos.

O rotavírus ataca as mucosas do intestino e impede a absorção de líquido.

Se a doença não for tratada, leva à desidratação e à perda de nutrientes e pode ser fatal.

Adultos também podem ser contaminados, mas neles a doença é menos grave do que nas crianças.

"Nós já tivemos tempo de criar imunidade, porque já fomos expostos ao vírus", diz o neonatologista Renato Kfouri, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações.

Desde 2009, a Organização Mundial da Saúde recomenda que todos os países incluam a vacinação contra o vírus em suas campanhas de imunização infantil.

No Brasil, a vacina faz parte do programa nacional desde 2006. EUA e México também fazem a imunização dos bebês contra a doença.

Não há tratamento específico para combater o vírus, só os sintomas.

"A medida fundamental é a hidratação já no primeiro sintoma", explica o pediatra Evandro Baldacci.

Diarrhoea is the second leading cause of death in children under five in the world, second only to pneumonia.

It is estimated that rotavirus is responsible for about one third of diarrhea. Bacterial infections such as salmonella, viruses and other metabolic problems, such as lactose intolerance, are responsible for most of the remaining cases.

Rotavirus attacks the mucous membranes of the intestine and prevents absorption of liquid.

If the disease is not treated, leads to dehydration and loss of nutrients and can be fatal.

Adults can also be infected, but in them the disease is less severe than in children.

"We've had time to build immunity, because they were exposed to the virus, " says neonatologist Renato Kfoury, president of the Brazilian Society of immunizations.

Since 2009, the World Health Organization recommends that all countries include vaccination against the virus in their childhood immunization campaigns.

In Brazil, the vaccine is part of the national program since 2006. U.S. and Mexico are also immunization of infants against the disease.

There is no specific treatment to fight the virus, only the symptoms.

"The key measure is the hydration in the first symptom, "says pediatrician Evandro Baldacci.