Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sábado, 28 de maio de 2011

Vacinação contra gripe acaba hoje em cinco estados e no DF

Os Estados do Maranhão, de Mato Grosso, do Rio de Janeiro, do Rio Grande do Sul e do Tocantins, além do Distrito Federal, encerram nesta sexta-feira a vacinação contra a gripe sazonal. Devem procurar os postos de saúde indígenas, idosos com mais de 60 anos, gestantes, crianças maiores de 6 meses e menores de 2 anos e profissionais de saúde.

Meta do Ministério da Saúde é vacinar quase 24 milhões de pessoas


A campanha nacional, coordenada pelo Ministério da Saúde, acabou no último dia 13 e vacinou 60% do público-alvo. A meta do governo é imunizar pelo menos 80% do grupo, que apresenta maior chance de complicações em razão da doença. A orientação da pasta é que todas as secretarias de Saúde com estoque da vacina e que não atingiram a meta mantenham os postos funcionando. Entre as unidades da Federação que encerram a campanha hoje, o Maranhão, o Tocantins e o Distrito Federal já conseguiram vacinar pelo menos 80% do público-alvo.

As secretarias de Saúde do Acre e da Bahia permanecem aplicando as doses até a próxima segunda-feira. Na Paraíba, a imunização vai até 10 de junho e, no Ceará, até 13 de junho.

O inverno aumenta as reações alérgicas; saiba como se prevenir

Quando a temperatura baixa e o frio começa a ficar mais intenso, as pessoas começam a sentir a pele áspera e percebem algumas irritações nas vias respiratórias. Segundo a dermatologista Kátia Lutfi “o inverno e o tempo mais seco diminuem as defesas e secreções das vias aéreas deixando-as mais vulneráveis aos alérgenos, que são todas as substâncias capazes de desencadear uma reação alérgica”.

O importante é saber um pouco mais sobre como evitar e o que fazer caso a reação alérgica aconteça
As alergias, entretanto, não dependem somente do clima. As da pele são as mais visíveis e a dermatite de contato é uma doença bastante comum, que afeta muitas pessoas, causando não só aquela coceira indesejável, como também provocando problemas estéticos.

Problemas também podem surgir quando as mulheres se enfeitam com acessórios – brincos, braceletes, colares, pulseiras – que causam a alergia. O resultado é: a pele fica vermelha, inchada, ardendo, descamando, com coceiras ou pequenas bolhas. Não se assuste. O importante é saber um pouco mais sobre como evitar e o que fazer caso a reação aconteça.

Quando o agente está presente no ar como a poeira ou fungos, por exemplo, “podemos tentar reduzir o seu contato através do que chamamos de controle ambiental, que consiste em cuidados diversos para diminuir o contato com os alérgenos no ambiente domiciliar, como por exemplo, o uso de protetores plásticos de colchão e travesseiros, de pano úmido diariamente nos pisos da casa, a troca das cortinas por persianas etc.”, explica Kátia Lutfi.

A alergia é crônica e cada indivíduo pode ser alérgico a coisas diferentes. As pessoas com estes sintomas devem procurar um médico para avaliação e identificação do alérgeno através da história clínica, exame físico, exames laboratoriais específicos e testes de contatos.

SP começa a aplicar 2ª dose da vacina contra gripe em crianças

Produto é dividido em dois para aplicação em pessoas de seis meses a dois anos

A Secretaria de Saúde de São Paulo inicia na próxima segunda-feira (30) a aplicação, em todo o Estado, da segunda dose da vacina contra a gripe para crianças entre seis meses e dois anos de idade. O intervalo entre as doses é de um mês.

Balanço da pasta aponta que 727 mil crianças receberam a primeira dose da vacina desde 25 de abril, data do início da campanha. O número representa 80,5% do total de imunizados nessa faixa etária. No entanto, para ficarem totalmente protegidas contra as complicações do vírus influenza, causador da gripe, as crianças devem receber duas doses.

Em todo o Estado foram vacinados cerca de 5 milhões de paulistas, entre crianças, gestantes, idosos, profissionais de saúde e indígenas. Os municípios que não atingiram a meta de 80% de cobertura prorrogaram automaticamente a vacinação e prosseguem oferecendo as doses até 10 de junho.

Os postos de saúde abrem das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira. Na capital paulista, as salas de vacina do Instituto Pasteur (Avenida Paulista, 393) e dos terminais rodoviários do Tietê e da Barra Funda funcionam das 8h às 20h, incluindo finais de semana e feriados.

Imagem "nojenta" no maço de cigarro estimula metade dos fumantes a largar o vício

Cerca de 65% dos fumantes do Reino Unido querem abandonar o hábito

Maços de cigarro ganharam imagens mais fortes no Brasil em 2009

Um estudo feito pelo CCD (Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos) aponta que mais da metade dos fumantes já pensou em largar o fumo por causa dos textos e das imagens de alerta que aparecem nos maços de cigarros.

Esse índice foi registrado em seis dos 14 países em que o estudo foi realizado. Nos sete países restantes, um em cada quatro entrevistados disse que os rótulos de advertência fizeram com que ele pensasse em parar de fumar. As informações são do jornal britânico Daily Mail.

Os pesquisadores analisaram dados coletados entre 2008 e 2010 sobre fumantes de Bangladesh, Brasil, China, Egito, Índia, México, Filipinas, Polônia, Rússia, Tailândia, Turquia, Ucrânia, Uruguai e Vietnã.

Segundo os cientistas, os alertas mais eficazes são as imagens de gráficos que mostram os efeitos nocivos do tabagismo, possivelmente porque eles são os melhores para evocar uma resposta emocional.

O estudo constatou que o Brasil e a Tailândia têm alguns dos maiores índices de fumantes que pensam em parar por causa das advertências.

O CCD quer fazer outras investigações para tentar descobrir quantos fumantes pensam em desistir por causa dos avisos nos rótulos e para determinar quais outros fatores entram em jogo para que alguém consiga parar de fumar.

O Reino Unido se tornou o primeiro país na Europa a colocar imagens nos maços de cigarros em 2008. Em 2009, todos os avisos em maços no Brasil foram substituídos por imagens mais fortes.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), o tabaco matará quase seis milhões de pessoas neste ano, entre elas 600 mil não fumantes expostos à fumaça.

Por conta disso, a organização decidiu dedicar o Dia Mundial Sem Tabaco de 2011, celebrado em 31 de maio, ao Convênio Marco para o Controle do Tabaco, que considera como o melhor instrumento para acabar com um hábito que matou 100 milhões de pessoas no século 20 e que pode tirar a vida de um bilhão de indivíduos no século 21, caso a atual tendência seja mantida, ressalta a OMS.

Fumo poderá matar 8 milhões de pessoas ao ano em 2030

Organização Mundial da Saúde diz que 2011 deve registrar seis milhões de mortes


O tabaco matará quase seis milhões de pessoas neste ano, entre elas 600 mil não fumantes expostos à fumaça, afirmou nesta sexta-feira (27) a OMS (Organização Mundial de Saúde). Armando Peruga, diretor da Iniciativa Livre de Tabaco da OMS, disse que o número deve ser muito maior no futuro.

- Se não forem tomadas mais medidas, em 2030 o tabaco pode causar a morte de oito milhões de pessoas ao ano.

Por conta disso, a organização decidiu dedicar o Dia Mundial Sem Tabaco de 2011, celebrado em 31 de maio, ao Convênio Marco para o Controle do Tabaco, que considera como o melhor instrumento para acabar com um hábito que matou 100 milhões de pessoas no século 20 e que pode tirar a vida de um bilhão de indivíduos no século 21 caso a atual tendência seja mantida, ressalta a OMS.

O Convênio foi adotado em 2003 e entrou em vigor em 2005, e desde então 173 Estados-membros da OMS aderiram à iniciativa.

- O tabaco é um dos principais responsáveis pela epidemia de doenças não transmissíveis como ataques cardíacos, derrames, câncer e enfisemas, que causam 63% de todas as mortes no mundo.

Entre as obrigações que os países que fazem parte do convênio assumem, está proteger as políticas de saúde pública dos interesses da indústria do tabaco, adotar medidas relacionadas com os preços e impostos para reduzir a demanda de tabaco e proteger as pessoas contra a exposição à fumaça do cigarro.

Apenas 20 Estados-membros da OMS não aderiram ao Convênio Marco, entre eles Estados Unidos, Suíça, Argentina e Indonésia.