Aplicativos, carreira, concursos, downloads, enfermagem, farmácia hospitalar, farmácia pública, história, humor, legislação, logística, medicina, novos medicamentos, novas tecnologias na área da saúde e muito mais!


sexta-feira, 17 de junho de 2011

Ministério Público arquiva denuncia contra ex-secretário de Saúde Cleiton Nicareta

A 1ª Promotoria da Comarca de Dois Vizinhos arquivou o procedimento preparatório que existia contra o ex-secretário de Saúde, Cleiton Nicaretta, por denúncias de desvio de medicamentos da Secretaria Municipal de Saúde.
A ação no Ministério Público foi estimulada depois da realização de uma CPI proposta pelos vereadores de oposição à atual administração.

Para Cleiton, o arquivamento do procedimento é mais uma prova de que nunca foi desviado nada da secretaria de Saúde e “o que aconteceu foi uma ação política eleitoreira contra a atual administração”.

O vereador Zé Carlos Ventura usou a tribuna da Câmara de Vereadores na sessão do dia 7, para comentar que o arquivamento das denúncias por parte do Ministério Público é prova da honestidade como são conduzidas as ações na prefeitura. “Fizeram um escândalo político, prejudicaram a vida do Cleiton e sua família e agora ficou provado que mesmo depois da CPI e da avaliação do Ministério Público não houve irregularidades”, disse o vereador.

Para o prefeito Zezinho Ramuski (PSDB), o arquivamento da ação é mais uma prova de problemas com “perseguição política”. “Sabemos da honestidade e idoneidade do Cleiton e sua família e como sempre falamos alguns não se preocupam a quem vão atacar, somente fazem perseguição tentando se aproveitar politicamente dos fatos.”

A notificação de arquivamento do procedimento preparatório foi publicada pelo procurador-geral de Justiça, Olympio de Sá Sotto Maior Neto.

Humor - Exame de Próstata

Pesquisadores identificam o caminho feito pelas compras de Viagra em spams

Publicidade de remédios em e-mail é uma verdadeira operação multinacional

Você com certeza recebe spams de venda de remédios contra impotência, calvície e outros males, mas já parou para pensar o que aconteceria caso tentasse comprar? Por onde passaria seu dinheiro? De onde sai o remédio? Será que ele funciona mesmo? Atrás de respostas para essas perguntas, um grupo de pesquisadores tentou rastrear o caminho feito a partir do clique no spam até a chegada do remédio ao usuário.
Depois de 100 compras em sites afiliados a spams, o resultado (PDF) foi uma cadeia verdadeiramente global de ações, com ramificações na Rússia, Índia, China, Azerbaijão e até no Brasil:



•O fabricante de remédios na Índia cria um programa de afiliados (que paga comissões para quem vender seus produtos);•O programa de afiliados é gerenciado da Rússia;•O site do programa é registrado na Rússia, redirecionado da China e hospedado no Brasil;
•Ao comprar, o dinheiro sai do banco do usuário para um banco no Azerbaijão;
•O banco paga o programa de afiliados, que paga o fabricante na Índia;
•O laboratório envia o remédio ao comprador.
A conclusão do experimento foi que nem todos os spams tem finalidades criminosas - ainda que o produto final não seja original - e que por envolver entidades de pagamento do ocidente, uma das maneiras mais eficientes para reduzir a atividade dos spams é agindo exatamente na fonte do dinheiro.

Remédios antigos - Sal de Fruta Eno

Muitas pessoas supõem que o nome do antiácido Eno tenha a ver com o radical da palavra enologia, já que o produto é um derivado do ácido tartárico, obtido como subproduto da indústria do vinho, ou seja, de uvas. No entanto, essa relação não existe. O que ocorreu foi o que se costuma chamar de feliz coincidência: em 1920, o laboratório Beecham, até hoje fabricante do famoso Sal de Fruta, comprou a marca e a fórmula do fabricante original inglês, J. C. Eno. Produzido desde 1846, o Sal de Fruta Eno foi lançado no Brasil em 1928. Foi acondicionado em frasco de vidro até 1990, quando passou para PET, com formato idêntico (veja a evolução na foto).


2011

Sais minerais – Fósforo


Fontes de fósforo - A carne, o peixe, o queijo, os cereais.

Ação do fósforo - Com o cálcio, forma os ossos e os dentes. É essencial ao bom funcionamento do organismo.

Tem um papel importante no metabolismo do cálcio. Para mais, é um dos principais constituintes dos compostos fundamentais para numerosas funções do organismo.

A maior parte do fósforo (cerca de 80%) está concentrada nos ossos e nos dentes onde, combinado com o cálcio, forma um sal. Os 20% que restam são distribuídos por quase todos os tecidos e células do organismo. Intervém nas reações de produção e de utilização de energia fornecida pelos alimentos. Entra na constituição de numerosos compostos celulares. É, portanto, essencial ao bom funcionamento orgânico.

A alimentação é uma fonte abundante de fósforo visto que tanto o encontramos nos produtos de origem animal como vegetal.

Não se conhecem carências, salvo as que são devidas ao uso prolongado de certos medicamentos que inibem a sua assimilação. Observam-se então uma perda de apetite, fraqueza e dores ósseas.

Bélgica nega ser origem da carne com bactéria vendida na França

Sete crianças francesas foram hospitalizadas após comer hambúrguer com a bactéria E. coli

A Agência Federal para a Segurança da Cadeia Alimentar (AFSCA) declarou nesta sexta-feira (17) que a carne contaminada com a bactéria E. coli que supostamente provocou a hospitalização de sete crianças no norte da França não provém da Bélgica.

Pierre Cassart, porta-voz da AFSCA falou à agência de notícias Belga.

- Recebemos informação das autoridades sanitárias francesas e, contrariamente ao que foi indicado, a carne sob suspeita não é proveniente da Bélgica, mas de outros países europeus.

A Agência Regional de Saúde (ARS) francesa manifestou nesta quinta-feira (16) que está certa de que o surto da bactéria E. coli registrado em Lille, no norte do país, não está vinculado com a epidemia ocorrida na Alemanha.

A empresa francesa SEB, fabricante dos hambúrgueres congelados suspeitos de terem causado a intoxicação, afirmaram que a carne para elaborar seus produtos procedia da Bélgica, Alemanha e Holanda, algo que a AFSCA desmentiu. O lote de hambúrgueres contaminados tinha sido distribuído pela rede de supermercados alemã Lidl.

A agência também confirmou que esse lote não foi comercializado na Bélgica e que não iniciou investigação alguma no país.

As crianças afetadas, que têm entre 18 meses e seis anos de idade, foram internadas no hospital de Lille com sintomas ligados a uma infecção da bactéria E. coli, como diarreias de sangue, após consumir a carne contaminada. Uma delas está em estado grave, mas a previsão dos médicos é otimista.

Vítimas do medicamento anticolesterol podem processar a Bayer nos EUA

Baycol, retirado do mercado em 2001, é acusado de provocar mortes


As vítimas do medicamento anticolesterol Baycol, retirado do mercado em 2001, pela Bayer, estão autorizadas a abrir um processo coletivo para obter uma idenização pelos danos causados, decidiu por unanimidade nesta quinta-feira (16) a Suprema Corte dos Estados Unidos.

Lançado no mercado em 1997, o Baycol provocou a morte de 31 americanos, quatro anos depois de seu lançamento.

Segundo especialistas, as mortes foram decorrentes dos potentes efeitos colaterais do medicamento, que causavam o bloqueio dos músculos abdominais e geravam falhas no sistema renal.

Com a decisão, a Suprema Corte resolveu o litígio jurídico que impedia as vítimas da Virgínia Ocidental de buscar uma reparação econômica pelos danos provocados pelo medicamento.

Após o escândalo, as múltiplas demandas judiciais haviam sido centralizadas em um tribunal federal de Minnesota.

As três vítimas da Virgínia Ocidental que se apresentaram perante a Suprema Corte já haviam pedido a um tribunal de seu Estado que fosse permitida a realização de um proceso coletivo, mas o pedido havia sido negado.

A Bayer, no entanto, diz que o processo é inadmissível, já que o mesmo juiz federal encarregado do caso, em Minnesota, havia indeferido o pedido feito pelas vítimas da Virgínia Ocidental, em agosto de 2005.

A Bayer ganhou a causa em primeira instância e também a apelação, mas perdeu na Suprema Corte nesta quinta-feira (16).

O grupo farmacêutico disse estar "decepcionado" com a decisão da Suprema Corte.

- A Bayer continuará se defendendo.

Para a Suprema Corte, o Tribunal Federal "foi além de suas funções" ao proibir a demanda coletiva em nível local. O caso deverá voltar ao tribunal de primeira instância da Virgínia.

Um em cada dez britânicos não consegue ver o próprio pênis por causa da obesidade


Mais da metade dos homens só perderia peso após aviso forte do médico

Uma pesquisa feita no Reino Unido mostra efeitos práticos do problema da obesidade, que cresce em todo o mundo: um em cada dez britânicos não consegue ver o próprio pênis por causa do tamanho da barriga – desses homens, 43% não veem o órgão há dois anos sem usar um espelho, por exemplo. E 16% deles não se lembram da última vez que olharam para o próprio pênis.

A pesquisa, feita pela empresa LighterLife, mostra alguns motivos de tantas pessoas sofrerem com a obesidade no país: 30% dos homens dizem que bebem bebida alcoólica três vezes por semana, 21% não prestam atenção ao que comem e 10% nunca fazem exercícios.

Mandy Cassidy, porta-voz da empresa, diz que a pesquisa mostra que “os britânicos são relaxados em relação à saúde e a perder peso”.

– Geralmente eles só vão considerar perder peso e ficar mais saudáveis se alguma coisa drástica acontecer, o que é realmente preocupante.

De fato, 52% dos 2.000 homens ouvidos na pesquisa só perderiam peso se recebessem um aviso grave do médico. 35% dos entrevistados disseram que só tomariam atitudes para deixar a obesidade se não conseguissem fazer sexo por um longo período de tempo.

http://noticias.r7.com/saude/noticias/um-em-cada-dez-britanicos-nao-consegue-ver-o-proprio-penis-por-causa-da-obesidade-20110616.html

Médicos de MG examinam gêmeas siamesas que nasceram unidas pelo abdome


Divulgação
Crianças nasceram em Timóteo, no Vale do Aço mineiro

Médicos da Santa Casa de Belo Horizonte (MG) acompanham duas meninas que há uma semana nasceram unidas pelo abdome. As gêmeas siamesas foram diagnosticadas como portadoras de "cardiopatia congênita complexa". Embora o hospital não tenha divulgado informações nesse sentido, o pai das meninas (Vitória e Viviane), Renato Bragança, de 23 anos, disse à imprensa local que já foi descartada a possibilidade de procedimento para a separação.

A mãe das gêmeas, uma adolescente de 17 anos, não se submeteu a nenhum exame de ultrassom durante a gestação. As crianças nasceram no último dia 9 no Hospital e Maternidade Vital Brazil São Camilo, em Timóteo, no Vale do Aço mineiro. Na hora do parto, nem os pais e nem o obstetra tinham ideia de que se tratava de um caso de gêmeas siamesas. Após dois dias na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), as crianças foram transferidas para a capital mineira. Sem recursos, os pais não permaneceram em Belo Horizonte.

O boletim médico divulgado no fim da tarde desta quarta-feira (15) pela Santa Casa diz que Vitória e Viviane, no sexto dia de vida, continuavam internadas no CTI-Infantil.

– Portadoras de cardiopatia congênita complexa, mantêm-se estáveis, com respiração espontânea, recebendo oxigênio por cateter nasal e dieta por sonda gástrica, com boa tolerância, apresentando funções fisiológicas preservadas.

As gêmeas, segundo o boletim, estavam sendo acompanhadas diariamente pelas equipes do CTI-Infantil e da Cirurgia Pediátrica do hospital. O comunicado não informa se está descartada uma cirurgia para a separação. A assessoria de comunicação do hospital informou que a instituição não pode divulgar informações sem autorização dos pais. Este caso é o 28º de gêmeos siameses levados para a Santa Casa da capital mineira para avaliação e possível cirurgia.

Crianças francesas comem hambúrguer e são internadas em estado grave

Francois Nascimbeni/AFP
Carne foi produzida na Alemanha, Bélgica e Holanda e processada na França

Elas foram contaminadas por bactérias E.Coli

Seis crianças hospitalizadas na França por uma infecção alimentar por bactérias E.Coli consumiram hambúrgueres elaborados com carne vindas de Alemanha, Bélgica e Holanda. As crianças, a mais nova com 20 meses, ingeriram hambúrgueres descongelados da marca francesa SEB, produzido com carne de animais abatidos nesses países.

De acordo com o diretor geral da SEB, Guy Lamorlette, a carne foi comprada de várias distribuidoras e será necessário esperar os resultados dos exames para descobrir qual está contaminada.

A empresa informou ter retirado os lotes suspeitos, da marca Steak Country, do mercado. As crianças internadas estão em situação grave, mas não preocupante, segundo as autoridades de saúde de Lille, norte da França.

O governo local informou, no entanto, que as infecções não têm relação com o surto de E.Coli que matou 38 pessoas, 37 delas na Alemanha, nos últimos dias.

EUA proíbem expressão "à prova d'água" e adotam fator 15 como mínimo para protetor solar

Produto deve ser reaplicado depois de cada banho - em piscina ou no mar - e durante a prática de esportes ao ar livre


Câncer de pele é o tipo mais comum do Brasil

Os Estados Unidos adotaram novas regras para os protetores solares que serão vendidos a partir de junho de 2012, mas já anteciparam alertas aos consumidores para este verão, que começa, no hemisfério Norte, no próximo dia 21.

O FDA (órgão que regula medicamentos e alimentos no país) decidiu banir as expressões "bloqueador solar", "à prova d'água" e "à prova de suor" das embalagens, por considerá-las como enganadoras. Somente serão considerados como protetores solares os que apresentarem em sua fórmula no mínimo o fator de proteção 15 e também substâncias capazes de qualificá-los como um produto de "amplo espectro".

De acordo com relatório da FDA, o fator de proteção solar (FPS) somente é capaz de diminuir a absorção de raios ultravioletas de ondas médias, os UVB, causadores de vermelhidão na pele exposta ao sol. Porém, o FPS 15 ou superior não são capazes de oferecer proteção contra os UVA, raios de ondas longas. Daí a exigência do FDA da presença dos ingredientes de "amplo espectro" nos protetores solares a partir do ano que vem.

A mudança nos padrões da fórmula e das embalagens de protetores solares se deve ao elevado risco de a exposição ao sol provocar câncer e envelhecimento da pele. Nos EUA, esse é o tipo mais comum de câncer.

A cada ano, 2 milhões de novos casos de câncer de pele, excluídos os de melanoma, são registrados no país. Mais agressivo, o melanoma foi detectado em mais de 68 mil casos de doenças de pele no ano passado, segundo dados da Sociedade Americana de Câncer.

O FDA recomendou fortemente o uso de chapéu e de roupas apropriadas em situações de exposição direta ao sol e também a reutilização do protetor solar a cada 40 minutos ou 80 minutos, dependendo da qualificação. A reaplicação deve ser feita depois de cada banho - em piscina ou no mar - e durante a prática de esportes ao ar livre, porque o contato com a água e com o suor diminui a ação dos protetores.

Mulher é suspeita de jogar recém-nascido de janela de hospital em Minas Gerais

Mulher disse que não sabia que estava grávida e se assustou ao ver a criança

Uma jovem de 19 anos, que estava grávida de 24 semanas e cujo recém-nascido foi encontrado supostamente após ser jogado pela janela, foi presa em flagrante na quinta-feira (16), suspeita de homicídio. Na noite de quarta-feira (15), ela deu à luz no banheiro da UPA (Unidade de Pronto-Atendimento) do bairro São Pedro, em Juiz de Fora (MG). As informações são do Hoje em Dia.

O recém-nascido, do sexo masculino, foi encontrado por um vigia do lado de fora da unidade. A criança sofreu uma queda de aproximadamente 2 m de altura.

Segundo o boletim de ocorrência, a mulher alega que não sabia que estava grávida e se assustou ao ver o recém-nascido, colocando-o no parapeito da janela. Mas a diretora clínica da UPA, Marina Carvalho Ferreira, revelou que pelos ferimentos, o bebê teria sido arremessado.

Uma médica da UPA chegou a socorrer a criança e tentou reanimá-la. Após o diagnóstico, foi constatado que o feto apresentava hipotermia, suspeita de traumatismo craniano e fratura no membro inferior direito. Em estado grave, a criança foi transferida para a UTI do Hospital João Penido e faleceu ainda na noite de quarta-feira.

A polícia chegou a dar voz de prisão para a mulher, mas devido ao seu estado de saúde, ela foi transferida para a Maternidade Therezinha de Jesus e teve alta às 10h de quinta-feira.

A jovem teria saído sozinha da cidade de Mercês, distante 134 km de Juiz de Fora, com dores abdominais e hemorragia. Ela deu entrada na UPA por volta das 16h de quarta-feira e foi internada. Os médicos levantaram a possibilidade de a mulher estar grávida, mas ela teria negado.

Segundo a diretora clínica, a mãe pediu para ir ao banheiro pouco tempo depois de os médicos solicitarem o exame de ultrassom de emergência, por volta das 20h, que seria feito em outro hospital. Os funcionários da unidade desconfiaram da demora e foram procurar a paciente. Quando a encontraram, perceberam que ela já havia dado à luz a criança, que não foi localizada.

A polícia foi acionada e o recém-nascido foi encontrado do lado de fora da UPA. Os médicos acreditam que o bebê tenha ficado ao relento por cerca de uma hora. Após receber alta, a mulher prestou depoimento na delegacia de Polícia Civil. Em seguida, foi levada para a penitenciária Ariosvaldo Campos Pires.

Assista ao vídeo:


http://noticias.r7.com/cidades/noticias/mulher-e-suspeita-de-jogar-recem-nascido-de-janela-de-hospital-em-minas-gerais-20110617.html

Governo amplia indicação de antiviral

Para conter gripe suína, Ministério da Saúde recomenda uso do oseltamivir aos primeiros sintomas de gripe; País registra quarta morte

Diante da chegada do inverno e da tendência de surgimento de novos casos de infectados pelo vírus H1N1, o Ministério da Saúde ampliou a recomendação do uso do antiviral oseltamivir entre pacientes com gripe. Agora, todos que apresentem fatores de risco devem tomar o remédio aos primeiros sinais da doença. Ontem, o Rio Grande do Sul confirmou a quarta morte neste ano.

"Essas pessoas não devem esperar os sintomas se agravarem ou a confirmação laboratorial", avisou o secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa.

Além disso, qualquer pessoa que apresente sinais de síndrome respiratória aguda deve tomar a droga - independentemente de quando os primeiros sintomas apareceram. Pela recomendação anterior, o início do tratamento era permitido apenas até 48 horas contadas a partir dos primeiros sinais da infecção.

Moradores de instituições fechadas, como asilos, e portadores de doenças crônicas que não foram vacinados deverão também tomar o remédio quando tiverem contato com outra pessoa infectada.

Embora descarte a possibilidade de uma epidemia, Barbosa reconhece o risco de aparecimento de pequenos grupos com pessoas infectadas pelo vírus em pontos isolados do País. Neste ano foram registrados 10 casos graves no Rio Grande do Sul. Ontem, mais uma morte foi notificada no Estado, aumentando para quatro o número de casos fatais em 2011. Além disso, outras 19 infecções foram identificadas no Acre, nenhuma delas grave.

"Houve casos isolados no Chile, México e Venezuela. Não descartamos a possibilidade de que no Brasil haja pacientes com a infecção que não foram identificados", disse Barbosa.

A nova recomendação, feita depois de discussão com médicos especialistas, foi apresentada para representantes de Estados e municípios. Secretarias locais foram aconselhadas a fazer um levantamento dos estoques do remédio. Caso seja necessário, o ministério fará um novo envio para repor estoques.

No caso de pacientes atendidos em instituições particulares, o medicamento poderá ser retirado em unidades da Farmácia Popular mantidas pelo governo, desde que seja apresentada a receita médica.

De acordo com o secretário, o estoque de oseltamivir no Brasil é considerável. Cerca de 70% do produto disponível deverá vencer entre 2013 e 2015. Negociações para que o estoque seja renovado pelo fabricante já começaram. "É praxe em compras grandes que a troca seja feita, para evitar perdas para o País."

Barbosa afirmou que o formato adotado agora no Brasil na indicação do antiviral já é usado em países como Chile, Estados Unidos e Canadá. A tese de que a distribuição mais flexível do oseltamivir pode facilitar a resistência do H1N1 à droga foi rebatida pelo secretário. "O remédio está disponível para tratar casos de risco. Se esse raciocínio fosse adotado, não daríamos também antibiótico para nenhum paciente, pois o uso também pode aumentar a resistência."

Epidemia. O auge da epidemia de gripe suína foi em 2009, quando o Brasil registrou 46,1 mil casos graves e 2.051 mortes. Em 2010, 89,5 milhões de brasileiros foram vacinados e o número de casos caiu drasticamente: foram 801 graves e 104 mortes. Em 2011, o vírus H1N1 foi incluído na composição da vacina utilizada na campanha, que teve cobertura de 81,5%.

E.coli aparece na França; cinco crianças são hospitalizadas


As autoridades disseram que a bactéria não parece estar relacionada à cepa letal da Alemanha

Cinco crianças hospitalizadas no norte da França depois de comerem hambúrgueres de carne bovina contaminados com uma cepa da bactéria E.coli estão gravemente doentes, disseram autoridades de saúde na quinta-feira, intensificando os receios de um surto mais amplo.

As autoridades disseram que a bactéria não parece estar relacionada à cepa letal de E.coli que já matou 37 pessoas e deixou 3.000 doentes, em sua maioria no norte da Alemanha.

A rede particular de supermercados populares Lidl tirou de suas prateleiras caixas de hambúrgueres congelados que se acredita serem as responsáveis pelas contaminações na França. As caixas foram vendidas sob a marca "Steaks Country" e tinham datas de vencimento de 10, 11 e 12 de maio.

Na quarta-feira, seis crianças de diferentes cidades na região de Pas de Calais, com idades de entre 20 meses e 8 anos, foram levadas a um hospital na cidade de Lille, com diarreia hemorrágica.

Uma das crianças teve alta, mas cinco estão "em condição grave" e ainda estão sendo tratadas no hospital. Três delas estão recebendo hemodiálise, um método de remoção de toxinas do sangue utilizado em casos de falência renal.

Embora o surto tenha ocorrido na esteira dos casos de E.coli relacionados a brotos de feijão contaminados que mataram 36 pessoas na Alemanha e uma na Suécia, as autoridades de saúde disseram que os casos na França não têm ligação aparente com os da Alemanha.

"Espero que possamos iniciar um programa de investigação muito rapidamente. Já estamos trabalhando sobre isso com pesquisadores franceses, para identificar a origem e lidar rapidamente com os problemas de saúde", disse na rádio RTL o ministro da Saúde francês, Xavier Bertrand.

Ele disse que toda a cadeia de produção dos hambúrgueres terá que ser analisada e que será preciso implementar controles mais rígidos.

Um porta-voz da Lidl disse que a carne bovina usada nas caixas suspeitas foi comprada da fornecedora francesa SEB-CERF, sediada na cidade de Saint-Dizier, nordeste do país e que produz cerca de 400 toneladas semanais de carne congelada.

"Os produtos foram feitos na França, mas, dependendo da data de vencimento e das oportunidades que se apresentam a nossos fornecedores, a carne pode vir da Alemanha, Itália, França, Holanda ou até mesmo outros lugares", disse à Reuters um porta-voz da Lidl, Jerome Gresland.

"Compramos a carne através deste fornecedor com um selo dizendo que vem da União Europeia."

Uma caixa de hambúrgueres suspeitos, encontrada na casa de uma das crianças que adoeceu, dizia conter carne vinda da Alemanha, disse à Reuters o executivo-chefe da SEB-CERF.

Mas ele disse que a embalagem não é o suficiente para determinar a origem da contaminação com qualquer grau de certeza, porque muitas outras caixas de produto suspeito continham carne produzida em outras partes da Europa.

As autoridades de saúde francesas ordenaram que a Lidl retire de suas prateleiras as caixas de hambúrguer "Steaks Country" com várias datas de validade, depois de encontrar uma caixa com validade até 10 de maio na casa de uma das crianças contaminadas.

A rede de supermercados tirou de circulação toda sua linha de hambúrgueres congelados.

ONG brasileira oferece apoio odontológico a jovens pobres no México

Dentistas do Bem tem 9 mil profissionais cadastrados e já atendeu 18 mil adolescentes em vários países

México - A ONG brasileira Dentistas do Bem começou a oferecer atendimento odontológico gratuito a jovens entre 11 e 17 anos no México, o que transforma este país na 11ª região ibero-americana que recebe seus serviços.

"A finalidade da minha viagem é crescer, aumentar o número de dentistas e beneficiados" no México, disse nesta quinta-feira à Agência Efe a dentista Samanta Martínez, coordenadora na América Latina das ações da organização.

O grupo é integrado por 9 mil dentistas "que atendem jovens de poucos recursos dentro de seu próprio consultório de forma gratuita e voluntária", comentou.

Os jovens são avaliados, selecionados entre o que têm menos recursos, se procura a autorização de seus pais para o tratamento e os leva a um consultório, onde recebem atendimento integral.

"Mais ou menos temos uma média de dois pacientes por dentista, que são voluntários", indicou Martínez.

"Não podemos abraçar o mundo. Os poucos pacientes que são atendidos recebem atenção integral", insistiu a dentista mexicana estabelecida no Brasil, que assinalou que em seu país já atendem cerca de 40 jovens.

A projeção é fechar o ano de 2011 "com 200" jovens atendidos pelo menos.

A ONG Dentistas do Bem (www.turmadobem.org.br) é uma organização sem fins lucrativos fundada em 2002 no Brasil pelo dentista Fábio Bibancos.

Seu propósito é tratar de mudar a percepção da sociedade em relação à saúde bucal e promover um maior acesso ao cuidado odontológico.

Atualmente conta com presença em Portugal e em boa parte da América Latina: Argentina, Bolívia, Brasil, Colômbia, Chile, Equador Peru, Paraguai, Venezuela e México.

Na região há até agora 495 profissionais voluntários e várias centenas de jovens beneficiados, que no mundo todo chegam a 18 mil até o momento.

Laboratórios tiram emagrecedor do mercado

Decisão foi tomada por dois grandes fabricantes da sibutramina no Brasil antes de Anvisa decidir se proíbe ou não a venda do medicamento

Dois dos maiores fabricantes de sibutramina no Brasil já retiraram seus medicamentos do mercado voluntariamente, antes mesmo de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidir se proíbe ou não a venda no País.

O laboratório Abbott, que fabricava o medicamento de referência, optou por retirar o emagrecedor do mercado brasileiro em novembro do ano passado, assim como fez nos EUA.

continue lendo...

Cirurgias devolvem a paciente visão de olho após 55 anos

Paciente de 63 anos sofreu descolamento de retina aos 8 anos; para médicos, resultadão dão 'esperança' para tratamento

Médicos nos Estados Unidos conseguiram recuperar a visão de um homem que passou 55 anos cego em um olho por conta de um descolamento de retina.

O homem, de 63, procurou o hospital oftalmológico New York Eye and Ear Infirmary, com o olho direito avermelhado e reclamando de dor.

Ele havia perdido a visão aos oito anos de idade, quando sua retina descolou em função de uma pedrada.

Segundo relataram os médicos na revista científica " Journal of Medical Case Reports", o olho estava inchado, e apresentava sangramento e alta pressão de fluidos.

Após várias semanas e diversos procedimentos para estabilizar a pressão na área atingida, os médicos perceberam que o homem havia recuperado parte da percepção da luz no olho.

Isto representou um estímulo para tentar a cirurgia de recolocação da retina.

Sucesso

O cirurgião Olusola Olawoye, que realizou a operação, disse que após a cirurgia a visão do olho melhorou a ponto de o paciente conseguir contar os dedos de uma mão à distância de cinco metros.

Um ano depois, os médicos perceberam que a cicatrização do olho estava provocando novos descolamentos de partes da retina. O homem foi submetido a uma segunda cirurgia, também bem-sucedida.

O médico disse acreditar que a pouca "altura" de descolamento da retina tenha contribuído para o sucesso dos procedimentos.

"Até onde sabemos, este é o primeiro relato de recuperação de um paciente com um descolamento traumático de retina", afirmou o médico.

"Não só é um grande resultado para nossos pacientes, como tem implicações para a restauração da visão de outros pacientes, especialmente no contexto de pesquisas com células-tronco que poderiam ser transplantadas para retinas defeituosas a fim de restaurar a visão."

A retina é uma camada fina interna do olho onde as imagens são "focalizadas", interpretadas pelos nervos e levadas para o cérebro.

O descolamento é uma separação desta camada fotossensível, normalmente em função de uma rasgadura, da sua conexão na parte traseira.

Deixado sem tratamento por muitos anos, o descolamento pode resultar em dano permanente à retina, o que torna a operação de reparação sem efeito.

No último mês de abril, pesquisadores japoneses conseguiram criar uma retina sintética a partis de células-mães de camundongos.

Tipo de cirurgia para perda de peso aumenta em 6 vezes o risco de morte


Rick Wilking/Reuters
Técnica. O by-pass gástrico feito com laparascopia é menos perigoso que a cirurgia aberta

Após analisar dados de mais de 105 mil pessoas submetidas a cirurgia para perda de peso, pesquisadores americanos montaram uma lista com os seis fatores que mais aumentam o risco de o paciente morrer antes de receber alta. O estudo foi apresentado nesta semana no congresso da Sociedade Americana de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, em Orlando.

O fator que apresentou maior peso foi o tipo de cirurgia realizada. Pacientes submetidos à técnica do by-pass gástrico apresentaram 5,8 vezes mais risco de morrer (mais informações nesta página). O aumento foi de 4,8 vezes quando compararam a cirurgia aberta (na qual é feito um grande corte na barriga) com a laparoscopia - menos invasiva.

Entre os pacientes do sexo masculino e os que não tinham plano de saúde particular, o risco foi cerca de três vezes maior. Aqueles com 60 anos ou mais apresentaram o dobro de risco dos mais jovens. E o risco dos diabéticos foi 1,5 vez maior.


"A cirurgia bariátrica é muito segura, mas podemos fazer mais para melhorar as chances de sobrevivência dos pacientes de alto risco", afirmou o autor principal, Ninh Nguyen, da Universidade da Califórnia em Irvine. Segundo ele, os médicos podem usar esses fatores de risco para ajudar no planejamento pré-operatório e auxiliar os pacientes a entender seu risco individual.


O presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, Ricardo Cohen, explica que esses fatores de risco já eram conhecidos pelos cirurgiões. Os pesquisadores apenas fizeram uma análise estatística para saber a influência deles.


Cohen ressalta que, embora a banda gástrica ajustável ofereça menos risco - por não haver cortes no estômago -, sua eficácia também é menor e, por isso, ela é menos realizada. A cirurgia aberta - única opção disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) -, é bem mais comum no País que a laparoscopia. "Estimamos que 35% das operações sejam laparoscópicas", afirma Cohen.


Mas o número, diz o médico, deve crescer se os planos de saúde passarem a ter de custear a laparoscopia. O tema está em discussão na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).


Gênero. No caso dos homens, dois fatores explicam a maior mortalidade, diz o cirurgião Marcos Leão Vilas Boas. "Os homens tendem a acumular mais gordura visceral, que é mais perigosa, e apresentam mais comorbidades, como diabete e hipertensão." Entre os pacientes que não possuem plano, o risco possivelmente é maior porque tendem a ficar mais tempo na fila da cirurgia e, enquanto isso, sua condição de saúde se agrava.


De acordo com Vilas Boas, é preciso deixar claro que, mesmo com os fatores de risco, o índice de mortalidade da cirurgia bariátrica é baixo.


Outro estudo recente mostrou que apenas 1 em cada 1 mil pacientes submetidos à colocação de banda gástrica ajustável por laparoscopia morre. O número sobe para 2 em cada 1 mil no caso dos que fizeram by-pass gástrico por laparoscopia. "Entre aqueles que fizeram o by-pass por meio de cirurgia aberta, morreram 2 em cada 100, ou seja, dez vezes mais", relata.

Estudos anteriores também mostraram que o risco de conviver com as doenças causadas pela obesidade superam os riscos associados à cirurgia bariátrica. Após a operação, pacientes podem aumentar sua expectativa de vida em até 89%.

Secretaria determina intervenção em hospital de Sorocaba que tinha esquema de fraude

A Secretaria da Saúde de São Paulo decretou ontem(16) a intervenção do Conjunto Hospital de Sorocaba (CHS), que presta serviços a 48 municípios da região. Na manhã de hoje (16), uma operação comandada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Sorocaba e pelo Grupo Antissequestro da cidade prendeu 12 médicos e enfermeiros que atuavam no hospital, acusados de participarem de um esquema que fraudava licitações e o pagamento de plantões.

Segundo a secretaria, um interventor vai ser nomeado nos próximos dias para garantir a assistência médica que é prestada pela unidade e permitir que os fatos sejam esclarecidos. A secretaria também informou que o atual diretor da unidade, Heitor Fernando Xediek Consani, que foi preso hoje e é acusado de participação no esquema, foi afastado do cargo.

De acordo com o Ministério Público, a organização criminosa, que era chefiada pelo ex-diretor do CHS Ricardo José Salim, desviava verbas destinadas ao pagamento de plantões a servidores do hospital, direcionando-as para beneficiários que não cumpriam suas jornadas de trabalho.

Segundo o Ministério Público, as investigações também revelaram a existência de funcionários fantasmas e a prática de falsificações, estelionato e fraudes em licitações, com o favorecimento e o direcionamento dos certames.

Os suspeitos vão responder pelos crimes de peculato, formação de quadrilha, crimes em licitação, quebra de sigilo da lei de interceptação, tráfico de influência e falsificação de documentos públicos e particulares.

Senado aprova sistema nacional de atendimento ao autista



O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (15) projeto de lei que institui o Sistema Nacional Integrado de Atendimento à Pessoa Autista.

O projeto a garante aos que têm esse transtorno todos os direitos já assegurados em lei às pessoas com deficiência. O texto também prevê a criação de um sistema integrado de atendimento à pessoa autista.

Relatora da matéria na comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, a senadora Ana Rita (PT-ES) defendeu a sua aprovação.

"É chegada a hora de o país contar com uma legislação que não apenas reconheça e assegure os direitos das pessoas atingidas pelo problema, as pessoas com transtorno do espectro autista, suas famílias e cuidadores, como também estimule e favoreça o seu enfrentamento", disse.

O projeto de lei do Senado segue para análise da Câmara. Se for aprovado pelos deputados, vai à sanção presidencial. Se a Câmara modificar o texto original, o projeto volta ao Senado.

Quatro milhões de idosos sofrem maus-tratos na Europa por ano



Pelo menos quatro milhões de idosos sofrem abusos físicos a cada ano na Europa e cerca de 2.500 são mortos por um membro da família, segundo um relatório publicado nesta quinta-feira pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Os idosos são vítimas de humilhações como bofetadas, murros, socos, queimaduras e cortes e são trancados em seus quartos durante horas ou até dias, afirma o relatório divulgado durante a 3ª conferência europeia de prevenção de maus-tratos e promoção da segurança, realizada em Budapeste.

Segundo o estudo --que analisou a situação dos idosos em 53 países europeus--, além dos quatro milhões que sofrem abusos físicos, 29 milhões são submetidos a agressões psicológicas, como insultos ou ameaças, e seis milhões são vítimas de roubos de dinheiro ou fraudes.

Além disso, cerca de um milhão de idosos sofrem abusos sexuais em forma de assédio, estupros ou exposição à pornografia.

Aqueles que têm Alzheimer, demência ou alguma incapacidade possuem mais probabilidade de serem vítimas de algum tipo de abuso, da mesma forma que os idosos de classes menos favorecidas da população.

A diretora regional da OMS para a Europa, Zsuzsanna Jakab, afirmou que a situação é "muito grave", já que "os abusos afetam os idosos física e emocionalmente no momento mais vulnerável de suas vidas".

"A população europeia está cada vez mais envelhecida, por isso é urgente que os governos resolvam este problema social o mais rápido possível e que os serviços públicos de saúde prestem socorro às vítimas de maus-tratos", acrescentou.

Em 2050, um terço da população europeia terá mais de 60 anos, devido à combinação do aumento da expectativa de vida com a queda da natalidade, o que significa que serão necessários cada vez mais recursos para efetuar o pagamento das pensões e das prestações sociais.

Esta situação, segundo a OMS, aumentará a dependência da terceira idade em relação aos mais jovens, o que pode causar um aumento no número de abusos a idosos ao alterar a estrutura econômica e social das famílias.

Droga antifumo traz risco cardíaco, segundo estudo



A FDA (agência reguladora de medicamentos e alimentos dos EUA) declarou nesta quinta-feira que o medicamento antitabagismo Champix, da Pfizer, pode aumentar o risco de ataque cardíaco em pacientes com problemas cardiovasculares.

"[Usuários dizem que Champix induz ao suicídio e processam Pfizer nos EUA]":

Os reguladores divulgaram um estudo com 700 pacientes com problemas cardíacos que mostra um pequeno aumento nos problemas do coração entre aqueles que tomaram o remédio, em comparação àqueles que receberam placebo.

A agência reguladora destacou que a droga ajudava os pacientes a parar de fumar, mas que esse benefício "deveria ser comparado aos riscos potenciais em pacientes fumantes com doença cardiovascular".

O Chanpix se liga aos receptores de nicotina no cérebro, reduzindo os sintomas da abstinência.

A FDA irá adicionar novas advertências ao rótulo do medicamento, relacionadas aos resultados da pesquisa. Os pacientes também receberão um guia atualizado com a prescrição do Chanpix, que fala sobre os riscos ao coração.

A farmacêutica Pfizer vai ser obrigada a analisar um grande grupo de estudos para definir melhor o risco cardíaco, de acordo com a FDA. A empresa disse em comunicado que "as taxas globais de eventos cardiovasculares relatadas no estudo foram baixas".

Aprovado em maio de 2006, o Chanpix já foi usado por milhões de pacientes nos EUA, embora as vendas tenham diminuído desde 2008, quando a droga foi ligada a efeitos psicológicos, como depressão e pensamentos suicidas.

Atualmente, estampa um aviso do tipo mais grave sobre esses riscos. O medicamento concorrente, da GlaxoSmithKline, Zyban, carrega o mesmo aviso.

Mortes por doença renal crônica crescem 38% no Brasil

O frentista José Carlos Barbosa, 39, só descobriu que tinha doença renal crônica quando foi levado, com os rins paralisados, para a emergência do Hospital Santa Marcelina, em São Paulo. Antes, segundo a família, ele se queixava de dor de cabeça, sempre pelas manhãs.

No posto de saúde, davam-lhe analgésicos. O sintoma era da hipertensão que, não diagnosticada e não tratada, evoluiu para doença renal. Um ano após iniciar a hemodiálise, Barbosa morreu.

Em dez anos, o país registrou um aumento de 38% na taxa de morte de doentes renais crônicos. Essas pessoas dependem de uma máquina que substitui a função dos rins (hemodiálise) para sobreviver.

Em 2000, dos 46.547 doentes que faziam diálise, 7.000 morreram (15%). Em 2010, o número de doentes tratados foi para 92 mil, com 16.500 mortes (18%).

Os dados são de um censo feito pela SBN (Sociedade Brasileira de Nefrologia) e levado ao Ministério da Saúde. Foram avaliadas 340 clínicas de diálise, 53% do total.

CAUSAS

Para a SBN, existem ao menos seis situações impulsionando o aumento de mortes.

Muitos dos pacientes começam a fazer diálise tarde, quando já estão muito debilitados, o que aumenta as chances de morte.

O número de nefrologistas no SUS também é insuficiente. Em São Paulo, leva-se, em média, seis meses para conseguir uma consulta.

Quando sofrem complicações, os pacientes em diálise têm dificuldade de conseguir uma internação.

As máquinas de hemodiálise do país estão velhas. Metade delas tem mais de seis anos e está no fim da vida útil, piorando o tratamento.

Outro problema são os remédios de alto custo. O governo fornece essas drogas aos doentes em diálise (eritropoietina, sevelamer, hidróxido de ferro, entre outros).

Mas o repasse é lento e, muitas vezes, os remédios só chegam após dois meses da prescrição do médico.

Um fator que agrava a condição é o envelhecimento. Cerca de 35% dos doentes renais têm mais de 65 anos e outras doenças, como diabetes e insuficiência cardíaca, que aceleram a mortalidade.

PREVENÇÃO

Para o nefrologista Daniel Rinaldi, presidente da SBN, faltam políticas para prevenir a doença renal crônica.

A maioria dos pacientes tem hipertensão ou diabetes, doenças que, sem tratamento, evoluíram para insuficiência renal. Há 10 milhões de pacientes renais no Brasil.

O tratamento é um dos que mais pesam no orçamento do Ministério da Saúde. São gastos R$ 2 bilhões anuais --4% do orçamento.
Rodrigo Bueno de Oliveira, nefrologista do HC de São Paulo, conta que é comum a chegada de pacientes renais nas emergências que nunca foram acompanhados na rede básica de saúde. "Eles já estão com os rins paralisados, com anemia e insuficiência cardíaca."

Em geral, os pacientes sem acompanhamento prévio não têm a via de acesso por onde a hemodiálise será feita.

O procedimento é necessário para deixar a veia do braço com mais calibre e, assim, fornecer um fluxo de sangue adequado para ser filtrado.

Sem isso, é preciso usar cateter, o que aumenta o risco de infecções e trombose. "Com cateter, a taxa de mortalidade é quatro vezes maior", explica o médico.

O impacto emocional também é grande. "De uma hora para outra, a pessoa descobre que terá de mudar a vida radicalmente, fazer sessões de diálise três vezes por semana. É um choque."

Propagandas antigas - Cinturão elétrico



Recuperai vossas forças!!! Envigorizae-vos novamente!!! Não consintais que o depauporamento iniciado continue, inutilizando-vos moral e fisicamente. Dai ao vosso corpo as energias e a força, que contituem o orgulho do homem que tem consciência do seu ser. Cinturão elétrico Hércules recupera a sua saúde”.

18 de julho de 1910.

Radiação solar é um risco para os olhos também durante o inverno, diz especialista



A exposição excessiva à radiação UV (ultravioleta) do sol é um risco também durante o inverno. O alerta é do oftalmologista Leôncio Queiroz Neto. Segundo o especialista, a população não associa o frio aos efeitos nocivos do sol e pratica atividades ao ar livre sem proteção ocular.

"Lentes com 100% de proteção UV não são medidas de prevenção restritas ao verão. No frio também são necessárias”, afirma.

É verdade, comenta, que no outono e inverno o índice de UV cai segundo as estatísticas do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Mesmo assim, a falta de proteção é nociva para a saúde dos olhos porque a radiação tem efeitos cumulativos, explica.

Leôncio destaca que muitas pessoas confundem calor com radiação. “No frio temos dias de claridade intensa que fazem a pupila contrai mais. Isso facilita a penetração do UV na parte posterior dos olhos e o desenvolvimento de doenças na terceira idade”, diz.

Por ser um país tropical próximo à linha do Equador, o Brasil atinge cinco de índice UV nos meses mais frios, podendo chegar a sete nas regiões mais quentes, segundo o INPE.

“Como ninguém vai consultar o índice UV diariamente é de bom senso proteger os olhos sempre. A exposição dos olhos aos raios ultravioletas sem qualquer proteção acelera o processo degenerativo dos olhos. Estamos falando de doenças como catarata e degeneração macular relacionada à idade que são as maiores causas de cegueira no mundo” diz o especialista.

Para a catarata, turvamento do cristalino, o tratamento é o implante de uma lente intraocular que substitui a lente natural do olho. Já a degeneração macular pode ser tratada com laser e medicamentos, mas as células da retina não são recuperadas, explica.

Queiroz Neto diz que a radiação também altera o filme lacrimal e por isso aumenta a predisposição à conjuntivite (inflamação da conjuntiva) e à ceratite (inflamação da córnea). Para proteger os olhos a recomendação do especialista é usar boné, chapéu ou óculos escuros em todas as atividades externas.

“Não vale usar qualquer óculos. As lentes têm que ter 100% de proteção UVA e UVB. Lentes sem filtro solar são mais prejudiciais que a falta de óculos. Isso porque, no escuro as pupilas dilatam e permitem maior penetração da radiação nos olhos”, conta.

Leôncio conclui dizendo que na escolha dos óculos escuros também é importante observar a proteção nas laterais que diminui o ressecamento da lágrima. Os testes feitos em camelôs não são confiáveis. As lentes precisam ter certificação para que a proteção seja garantida.

Gengibre pode ajudar no combate a dores musculares, indica estudo

De acordo com um estudo publicado no “The Journal of Pain” de setembro, o gengibre teria efeitos analgésicos e sedativos, reduzindo dores musculares.



A pesquisa foi realizada com 74 pessoas adultas que foram submetidas a dois gramas de gengibre ou placebo durante onze dias. Ao final do estudo, o grupo que consumiu gengibre teve uma redução e 25% nas dores musculares.

Em casos de ingestão do gengibre logo após os exercícios físicos ou antes de realiza-los, outras pesquisas mostraram um resultado insatisfatório. Ao que tudo indica, o consumo da raiz só é eficiente no combate à dores musculares se consumida um dia após os exercícios físicos.

Tratamento com osteopatia auxilia no combate à dor nas costas

 
  Quando as articulações saem do lugar e se viciam na posição errada, é hora de colocar a estrutura no lugar, como um trabalho de reeducação
Quando as articulações saem do lugar e se viciam na posição errada, é hora de colocar a estrutura no lugar, como um trabalho de reeducação
Atualmente, um dos problemas que mais afeta a saúde e a qualidade de vida das pessoas é a dor nas costas. Ela costuma surgir a partir da má postura e dos movimentos repetitivos, comuns em quem trabalha no computador, por exemplo. Assim, o corpo fica ‘mal acostumado’, e as articulações saem do seu lugar original, o que causa a dor.

Quando as articulações saem do lugar e se viciam na posição errada, é hora de colocar a estrutura no lugar, como um trabalho de reeducação. Nessa tarefa, a osteopatia, forma holística de medicina não-convencional que corrige as alterações articulares vindo da estrutura óssea.

O tratamento requer um exame aprofundado do paciente e um diagnóstico cuidadoso, que vai determinar o melhor tratamento a ser utilizado. Podendo ser uma manipulação ou uma mobilização articular, que irá repercutir imediatamente no problema apresentado..

Através de várias técnicas manuais suaves e não invasivas, o osteopata utiliza as mãos para perceber os movimentos e tensões do corpo. Isso significa que pessoas de todas as idades podem consultar um profissional, desde o recém-nascido ao idoso.

O tratamento osteopático proporciona muitos benefícios à saúde como uma melhora da circulação, a função do sistema nervoso e imunológico, a digestão e a respiração.

Além disso, ajuda no tratamento de pessoas acometidas de dor lombar, dores de cabeça e pescoço, cólicas menstruais, ciáticas, artroses, doenças relacionadas ao trabalho, tendinites, problemas digestivos funcionais e respiratórios, entre outros.

Paraná pretende vacinar 730 mil crianças contra a pólio no próximo sábado

Curitiba – No próximo sábado (18), início da campanha de vacinação contra a poliomielite (paralisia infantil), a Secretaria de Saúde do Paraná pretende imunizar 730 mil crianças de até 5 anos.

Cerca de 1,1 milhão de doses da vacina estarão disponíveis nessa primeira fase da campanha. A vacinação será feita em postos de saúde do estado e em unidades volantes (mercados, praças, shoppings), das 8h às 17h. Cerca de 8 mil profissionais da área de saúde estarão trabalhando no dia.

Em Curitiba, a meta é vacinar pelo menos 108 mil das 114 mil crianças de até 5 anos residentes na cidade, o que representa uma cobertura de 95%.

De acordo com dados da Secretaria de Saúde, em 2010, os índices de vacinação no estado chegaram a 97% na primeira etapa e 98%, na segunda.

Rio Grande do Sul confirma terceira morte por gripe suína

Brasília – A Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul confirmou a terceira morte por influeza A(H1N1) – gripe suína – este ano. A vítima, uma mulher de 42 anos que morava em Pelotas, morreu no último sábado (11). A paciente não havia sido vacinada contra a doença e apresentava imunidade baixa.

O último balanço indica que o estado já confirmou seis casos de infecção pelo vírus Influenza H1N1 e três mortes. Há ainda 42 casos em investigação. A secretaria informou que, no momento, a situação é de normalidade e não caracteriza uma epidemia.

O Ministério da Saúde disponibilizou 100 mil doses extras de vacina contra a gripe suína. Devem ser enviados ainda nesta semana ao Rio Grande do Sul 200 mil tratamentos antivirais para pacientes internados com sintomas de síndrome respiratória aguda grave.

Idosos, gestantes, crianças de 6 meses a 2 anos, indígenas e profissionais de saúde devem receber o medicamento diante do aparecimento de sintomas de gripe, como febre e tosse.

Saúde destinará R$ 208,9 milhões a ações de vigilância sanitária este ano

Brasília - O Ministério da Saúde fixou em R$ 208,9 milhões os recursos que serão aplicados em 2011 em vigilância sanitária, dentro do programa Vigilância e Prevenção de Riscos Decorrentes da Produção e do Consumo de Bens e Serviços.

O Fundo Nacional de Saúde vai contar com o montante total de R$ 158,6 milhões para incentivo financeiro aos estados, ao Distrito Federal e aos municípios na execução de ações de vigilância sanitária. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vai dispor de R$ 50,3 milhões.

A aplicação dos recursos vai ser diferenciada por localidade, de acordo com piso per capita fixado em portaria publicada na edição de hoje (16) do Diário Oficial da União. Todas as transferências vão ser viabilizadas por meio do Fundo Nacional de Saúde, de acordo com a portaria.

Vacinação contra a pólio começa amanhã; oito estados também vacinam contra sarampo

Brasília – Crianças menores de 5 anos devem receber manhã (18) a primeira dose da vacina contra a poliomielite (paralisia infantil). Pais e responsáveis devem levar o cartão de vacinação para atualização das doses. A Campanha Nacional de Vacinação segue até o dia 22 de julho.

Em São Paulo, Minas Gerais, no Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, em Pernambuco, na Bahia, no Ceará e em Alagoas, crianças de 1 a 7 anos também vão receber a vacina tríplice viral – que imuniza contra o sarampo, a rubéola e a caxumba.

Ao todo, 115 mil postos de saúde em todo o país devem funcionar das 9h às 17h. Além das unidades permanentes, shopping centers, rodoviárias e escolas também vão receber postos móveis. Mais de 350 mil profissionais de saúde estarão mobilizados.

A segunda dose da vacina contra a poliomielite será aplicada a partir do dia 13 de agosto. Nesse mesmo dia, os demais estados iniciam a aplicação da tríplice viral.

De acordo com o Ministério da Saúde, a criança só fica completamente protegida contra a paralisia infantil após receber as duas gotinhas previstas.

Crianças com febre acima de 38 graus ou com alguma infecção devem ser avaliadas por um médico antes de receber a vacina. Também não é recomendado vacinar crianças com problemas de imunodepressão (como pacientes com câncer e aids) ou que já apresentaram reação alérgica severa a doses anteriores.

A meta do governo é vacinar 95% do público-alvo – 14,1 milhão de crianças contra a poliomielite e 17 milhões contra o sarampo.

Carretinha da Saúde levará campanha de combate à hanseníase a todo o estado do Rio

Rio de Janeiro - O Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) inicia hoje (17) à noite uma campanha permanente de combate à doença no estado do Rio, com o lançamento da Carretinha da Saúde. O evento ocorrerá durante a abertura do 3º Congresso de Secretarias Municipais de Saúde.

O coordenador nacional do Morhan, Artur Custódio Moreira de Sousa, informou que o país ocupa atualmente a primeira posição no mundo em incidência de hanseníase, com cerca de 40 mil novos casos por ano, seguido do Nepal e Timor Leste. “Em números absolutos, o Brasil é o segundo. Só perde para a Índia, que tem uma população muito maior que a nossa”.

Ele explicou que o estado do Rio, embora apresente uma incidência duas vezes menor que a média nacional, tem municípios “silenciosos”. Isso significa que essas cidades devem ter casos da doença que não são identificados.

O movimento levará para o congresso a Carretinha da Saúde, uma unidade móvel com três consultórios. O objetivo, segundo Artur Sousa, “é sensibilizar os secretários para que façam a campanha em seus municípios”. A carreta será colocada à disposição das secretarias gratuitamente. A iniciativa é baseada na experiência do Caminhão da Saúde, uma unidade com cinco consultórios que, no momento, percorre as regiões Norte e Nordeste do país e que já identificou, no período de um ano, mais de mil casos de hanseníase.

O coordenador nacional do Morhan informou que a campanha pretende chegar a lugares onde é precário o acesso da população aos serviços de saúde. Incluem-se, nesse caso, as populações vulneráveis ou excluídas culturalmente, os catadores de lixo, ciganos, índios, remanescentes de quilombos, além de populações rurais e moradores de comunidades carentes. “Você identifica os casos e, depois, os municípios acompanham até a cura”, disse Sousa.

Ele afirmou que não há razão para que os secretários não se engajem na iniciativa. “Ainda mais que os medicamentos são doados pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”. Haverá também capacitação de médicos para o atendimento aos portadores da doença, em parceria com a Secretaria de Saúde do estado. Os principais sintomas da hanseníase são manchas na pele, com diminuição ou perda de sensibilidade. “Com isso, você identifica mais de 90% dos casos”, disse Sousa. Nos 10% restantes são necessários exames aprofundados.

A Carretinha da Saúde permanecerá no estado do Rio durante dois anos. Artur Moreira de Sousa disse que a ideia é, a partir de 2013, ter uma carreta semelhante em cada estado. “Vai depender de apoio”, acrescentou.

O secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Miranda Magalhães, representará o ministro Alexandre Padilha no congresso do Conselho das Secretarias Municipais de Saúde fluminenses (Cosems RJ).

Meias elásticas apenas aliviam sintomas de varizes

Meia calça também ajuda contra sintomas das varizes

Uso combate apenas o inchaço e a dor, mas não evita avanço do problema
Quando um médico prescreve meias elásticas contra varizes, problema comum de circulação, muitas mulheres já entortam o nariz.

A ideia de usar meias apertadas o dia todo nem sempre agrada, especialmente no calor de um país tropical. Pior ainda quando a paciente se dispõe a usar a tal meia e as varizes não param de avançar.

As meias compressoras têm má fama e isso acontece porque muitos conceitos errados estão associados a elas. Ao menos essa é a opinião do angiologista Marcondes Figueiredo, coordenador da diretriz de compressão elástica da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

“É preciso esclarecer algumas coisas”, alerta.

A primeira delas é que meias elásticas não impedem o avanço das varizes. “Elas servem para combater os sintomas. São como óculos, eles não deixam a pessoa menos míope, apenas corrigem a visão”, explica.

A compressão das meias reduz o inchaço das varizes, que costuma incomodar especialmente no final do dia. Assim, o risco de edemas é menor e a mulher também fica livre daquela sensação de cansaço e peso nas pernas.

Esse resultado é obtido com uma compressão de intensidades diferentes ao longo da meia, sendo mais intensa nos pés e menor na perna. Isso favorece o retorno do sangue venoso e evita acúmulo nas veias.

Só até o joelho

Nem toda meia compressora precisa ser como a meia calça, da cintura aos pés. “A maioria das prescrições é para usar meias três quartos”, afirma o médico. Isso porque a maioria das varizes se concentra abaixo dos joelhos.

Se a mulher residir em cidades muito quentes, como as do nordeste brasileiro, o uso da meia não precisa ser feito o dia todo.

“Não dá para esperar que a mulher aguente ficar com essas meias sob o calor de 40 graus”, comenta o médico. O uso apenas no período da manhã já ajuda no controle dos sintomas.

Quem não pode

Existem basicamente duas situações nas quais as meias elásticas devem ser evitadas. A primeira é quando as varizes se tornaram graves o suficiente para abrir feridas na perna. Essas feridas requerem um tratamento anterior ao uso das meias, pois elas podem piorar se forem comprimidas.

O segundo caso acontece quando há entupimento das artérias, a chamada aterosclerose. O problema consiste na formação de placas dentro dos vasos sanguíneos, que têm seu diâmetro reduzido.

“Neste caso, a compressão das meias vai reduzir ainda mais as artérias e prejudicar o problema”, ressalta o especialista.

Veias dilatadas

As varizes, diferente da aterosclerose, atacam as veias e não as artérias. Artérias levam o sangue com oxigênio para as extremidades do corpo. Depois disso, o sangue usa as veias para retornar das extremidades e se abastecer com oxigênio novamente.

Mas no percurso, no retorno venoso, o sangue pode se deparar com dilatações e formar as varizes. A formação delas pode estar ligada a diversos fatores, como excesso de peso, gravidez, idade avançada e postura inadequada no trabalho.

“A incidência é maior em mulheres”, aponta Figueiredo. A relação é de um homem com varizes para quatro mulheres.

Mitos

Calça justa, salto alto, meias apertadas, viagens longas, postura errada no trabalho, existe uma série de mitos e verdades mal compreendidas sobre varizes. Entre os principais, mais questionados nos consultórios médicos, está o uso da pílula.

Especialistas esclarecem que o uso contínuo e prolongado de anticoncepcionais pode provocar retenção de líquidos e dilatação nas veias. Veja outros mitos aqui.

Tratamentos

Quando as varizes ainda são pequenas, com vasos de poucos milímetros, o prejuízo é apenas estético. Como não existem sintomas, é inútil usar meias elásticas. Um dos possíveis tratamentos é com escleroterapia. O médico destrói as microvarizes com injeções no local, sem que haja prejuízo para a circulação.

“É comum dizer que as varizes voltam, mas não é isso que acontece. Outras varizes aparecem com o tempo, mas aquelas foram totalmente destruídas”, esclarece Figueiredo. A solução pode ser refazer o tratamento a cada dois anos, quando novas veias começarem a aparecer.

Em vasos maiores, é necessário cirurgia. O procedimento é simples e pode ser feito, em alguns casos, com anestesia local. Ele consiste na eliminação dos vasos doentes para evitar o avanço do problema, que pode provocar até úlceras nas pernas.